Publicidade

Notícias de saúde

Receitas Médicas são Indecifráveis para 25% dos Pais

SÃO PAULO (Reuters) - Cerca de um quarto dos pais ou responsáveis por crianças atendidas em pronto-socorro não conseguiu compreender o tratamento prescrito pelo médico, indica um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Em aproximadamente 24 por cento dos casos, os acompanhantes não foram capazes de falar corretamente o que estava escrito na receita -- nome e tipo do medicamento, quantidade das doses e horário -- nem retransmitir as orientações do médico, segundo a universidade.

"Este não é um problema só de legibilidade, mas de compreensão do tratamento", disse Flávia Sternberg, aluna de Medicina da universidade, que desenvolveu o estudo orientado pela professora Regina Célia de Menezes Succi.

Sternberg também analisou o conteúdo das prescrições médicas e, em 12 por cento delas, não decifrou o tratamento recomendado. Outros 33 por cento das receitas exigiram da estudante de Medicina grande esforço para este entendimento.

Durante o estudo, foram entrevistados 100 pais ou responsáveis de crianças atendidas no setor pediátrico do pronto-socorro do Hospital São Paulo, ligado à Unifesp. Os adultos respondiam a um questionário, informando condições socioeconômicas, grau de escolaridade, motivo de ida ao pronto-socorro, atendimento do médico, entre outros.

"Quando os pais não entendem o nome ou a dose do remédio, há duas possibilidades: a criança não será tratada ou irá receber quantidades erradas, causando efeitos adversos", alertou a professora Regina Célia de Menezes Succi.

A professora destacou que a compreensão do tratamento foi ruim entre todos os níveis de escolaridade, mas foi mais acentuada entre os níveis mais baixos. "Isso nos leva a concluir que o entendimento também está relacionado ao nível de escolaridade", afirmou Succi.

Os resultados do estudo serão repassados aos médicos do pronto-socorro, de acordo com Succi. "Com isso, esperamos que os médicos passem a ter consciência do problema e tentem minimizá-lo", disse.

"É preciso gastar mais tempo com os pacientes, dar maiores explicações do tratamento e fazer a letra o mais legível possível", acrescentou Succi.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: