Publicidade

Notícias de saúde

Beta Interferon Não é Regra Contra Esclerose Múltipla

Por Richard Woodman

LONDRES (Reuters Health) - O National Institute for Clinical Excellence (Nice, sigla para Instituto Nacional para Excelência Clínica), órgão de vigilância farmacêutica da Grã-Bretanha, confirmou suas avaliações preliminares de que não existe evidência suficiente para justificar o uso geral do beta interferon em pacientes com esclerose múltipla, conforme fontes informaram na segunda-feira à Reuters Health.

Segundo estas fontes, uma apelação seria apresentada pela Multiple Sclerosis Society (Sociedade de Esclerose Múltipla), que representa os portadores desta moléstia e também, provavelmente, pelos fabricantes Schering, Biogen e Serono.

Oficialmente, nenhum dos apelantes envolvidos no processo pôde comentar o fato, porque assinaram acordos confidenciais. Mas uma pessoa envolvida no assunto disse: "Pode estar certo que vai haver uma apelação".

A mesma fonte informou que nada mudou substancialmente entre as avaliações negativas preliminares do Nice, em julho, e as avaliações finais recebidas confidencialmente pelos apelantes dez dias atrás.

O prazo final para entrar com a apelação é terça-feira, e o resultado não será conhecido antes do final de setembro.

Outra fonte informou que seria bastante equivocado interpretar as notícias de uma apelação de forma completamente negativa já que o argumento pode ser mais sobre a escala de incapacidade que faria o uso da droga válido que a proibição total da droga.

Na sua opinião, ir para apelação era um "forte apelo" porque atrasaria a decisão final e a possibilidade de tratamento para alguns pacientes por pelo menos mais um mês.

As companhias estimam que cerca de metade das 85 mil pessoas com esclerose múltipla na Grã-Bretanha tem necessidade clínica de usar uma droga de beta interferon, mas somente 2 por cento receberam a receita.

Também afirmam que as políticas de financiamento são formuladas localmente, resultando na chamada prescrição pós-código onde os tratamentos dependem mais do local onde os pacientes vivem que de suas necessidades clínicas.

A controvérsia sobre as drogas para esclerose múltipla foi abastecida recentemente pelo professor Alan Maynard, economista de saúde na Universidade de York, que acusou a Sociedade de Esclerose Múltipla de estar muito próxima às empresas farmacêuticas.

Conforme escreveu no Pharmaceutical Times, a Sociedade deveria pedir a redução nos altos preços dos beta interferon na Grã-Bretanha, em vez de gastar seu tempo criticando a Nice, acusações que foram negadas fortemente pela Sociedade.

Enquanto isso, um estudo financiado pela Biogen e publicado no jornal PharmaEconomics no mês passado alegou que todos os estudos anteriores da efetividade dos custos cometeram o erro de assumir que os benefícios do tratamento não são mantidos a longo prazo.

Mudando esta premissa, os autores disseram que, levando em os conta custos sociais, o tratamento resulta em economia a longo prazo.

A esclerose múltipla é uma doença crônica e progressiva, em que o corpo perde parte de mielina (cobertura protetora das células nervosas) que atua como cobertura protetora nos nervos incluindo os do cérebro e espinha dorsal.

Embora a causa seja desconhecida, a doença é reconhecida como sendo uma desordem auto-imune, em que o sistema imunológico trata a mielina como um invasor estranho eventualmente atacando e destruindo a proteção. Esta destruição provoca marcas e danos nos nervos causando sintomas que vão de entorpecimento e formigamento a embaçamento da visão e paralisia.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: