Publicidade

Notícias de saúde

Sexo de Risco e Taxas de HIV Voltam a Aumentar na Europa e EUA

Por Deborah Mitchell

CHICAGO (Reuters Health)
- Vários pesquisadores, que falaram terça-feira durante a 8a Conferência Anual sobre Retrovirais, descreveram novas tendências perturbadoras de um aumento do comportamento sexual de alto risco em pessoas infectadas pelo HIV, principalmente entre homens homo e bissexuais e grupos minoritários em cidades do interior.

Robert Janssen, do Centros para Controle e Prevenção de Doenças, em Atlanta (Geórgia), fez referência a três estudos importantes que sugerem que pode estar havendo um crescimento da incidência de HIV nos Estados Unidos e Europa.

No primeiro estudo, realizado pela equipe de William Whitingtom, da Universidade de Washington (Seattle), 959 homens homo e bissexuais foram examinados para doenças sexualmente transmissíveis (DST) e questionados sobre uso de droga e atividade sexual.

A equipe verificou que 43 por cento dos participantes que informaram praticar sexo anal nunca ou apenas algumas vezes usaram preservativos e 40 por cento não conversou sobre o HIV antes do sexo. De 337 homens HIV positivos, 45 por cento fizeram sexo com parceiros HIV negativos e 43 por cento fizeram sexo com parceiros cujo status não era conhecido.

Esse comportamento também foi mais frequentes entre homens mais jovens, usuários de drogas e homens que faziam sexo com homens que encontravam em saunas.

No segundo estudo -- chefiado por I. G. Stolte, do Serviço Municipal de Saúde de Amsterdã (Holanda) -- foram avaliados dados de 11.240 consultas por DST de homens homo e bissexuais.

Entre 1994 e 1999, os pesquisadores verificaram que as taxas de gonorréia anal aumentaram significativamente de 4 para 6,8 por cento e as taxas de sífilis, de 0,4 para 1,4 por cento.

"Não víamos taxas tão altas desde 1985", disse Janssen durante a palestra.

O terceiro estudo envolveu 256 pessoas HIV positivas, na maioria negros e latinos, tratadas no Bronx, entre 1997 e 1998. A equipe de Joseph P. McGowan, do Centro Hospitalar Libanês, no Bronx (Nova York), analisou o comportamento de risco destes pacientes onde quase metade era de homens.

A prática de sexo sem proteção depois do diagnóstico de HIV foi relatada por 60 por cento dos homens homo e bissexuais do grupo, 50 por cento das mulheres infectadas por HIV e 29 por cento dos homens heterossexuais.

Trocar sexo por dinheiro foi o fator associado diretamente com mais frequência a sexo sem proteção e a taxas mais altas de DSTs.

"Compreender os fatores que influenciam o risco crescente entre homens homo e bissexuais e outros infectados pelo HIV, assim como a resposta apropriada da saúde pública, podem ser os desafios mais importantes que enfrentaremos na prevenção do HIV", concluiu Janssen.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2001 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: