Notícias de saúde

Inibidores da ECA e BRAs não aumentam o risco de COVID-19

07 de maio de 2020 (Bibliomed). Certos medicamentos para pressão alta estão associados a casos mais graves do COVID-19, mas não aumentam o risco de uma pessoa contrair a doença. Realizada por pesquisadores da Cleveland Clinic, nos Estados Unidos, a análise descobriu que pessoas que tomam enzima conversora de angiotensina (ECA), inibidores ou bloqueadores dos receptores da angiotensina II (BRAs), não eram mais propensas a serem diagnosticadas com COVID-19 do que aquelas que não usavam esses medicamentos.

A pesquisa revisou dados de mais de 18.000 pacientes da Cleveland Clinic em Ohio e na Flórida, cobrindo o período entre 8 de março e 12 de abril - aproximadamente o momento em que o surto de COVID-19 nos Estados Unidos começou a ocorrer. Dos participantes, pouco mais de 12% estavam usando inibidores da ECA ou BRA.

Entre os testados para a doença causada pelo novo coronavírus, pouco mais de 9% foram positivos, independentemente de estarem tomando ou não inibidores da ECA ou BRAs. No total, 24% dos participantes que testaram positivo para COVID-19 necessitaram de hospitalização, 9% foram admitidos na unidade de terapia intensiva e 6% necessitaram de ventilação mecânica para respirar.

Os inibidores da ECA e os BRAs são medicamentos prescritos usados ??para tratar pressão alta, doenças cardíacas e insuficiência renal relacionada ao diabetes, entre outras condições. São drogas amplamente utilizadas em todo o mundo, e no início da pandemia pesquisas encontraram ligação entre pacientes que utilizavam essas drogas e infecções pelo novo coronavírus. Com base nessas descobertas, as pessoas devem continuar o tratamento com os medicamentos durante a pandemia, disseram os autores.

Fonte: JAMA Cardiology. DOI: 10.1001/jamacardio.2020.1855.

Copyright © Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários