Publicidade

Notícias de saúde

Prática esportiva de alta intensidade pode prejudicar ciclo menstrual de atletas olímpicas

09 de agosto de 2012 (Bibliomed). Atletas olímpicos submetem seus corpos a treinamentos rigorosos para obterem resultados excepcionais e se destacarem no seu esporte. Para mulheres, é preciso que elas estejam atentas aos efeitos que essas atividades podem ter no corpo quando a atleta também faz uso de métodos contraceptivos.

O Comitê Olímpico Brasileiro incluiu uma médica ginecologista na sua equipe pela primeira vez nos jogos de Londres de 2012. Essa novidade foi vista como positiva pela comunidade médica e demonstra que mais interesse e cuidados estão sendo destinados a essa questão.

De acordo com Maria Celeste Osório Wender, diretora administrativa da Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Rio Grande do Sul, “a iniciativa é interessante no sentido de proporcionar um atendimento e um entendimento mais aprofundado da parte de ginecologia para essas atletas que estão competindo. Isso vem adicionar para que haja um maior controle e bem estar no atendimento médico das mulheres durante a competição”.

Atividades físicas extremas podem causar diversos problemas à fertilidade feminina. As ginastas, por exemplo, enfrentam uma questão que causa polêmica. Os esforços físicos feitos pelas atletas são tão intensos que elas podem parar de menstruar. Exercícios extremos podem causar isso de duas formas: o nível elevado de estresse causa a interrupção da ovulação e a diminuição do percentual de gordura do corpo pode trazer alterações hormonais que impedem o ciclo.

A TPM – tensão pré-menstrual – também é um problema para as atletas, que podem ter seu desempenho prejudicado pelas alterações que ocorrem nesse período. Para enfrentar esse inimigo, o mais comum é que elas façam uso de pílula anticoncepcional sem intervalos para evitar a vinda da menstruação durante competições.“Em muitos casos se faz isso por comodidade. Isso é absolutamente tranquilo e não causa problemas porque não interfere na função hormonal e traz o benefício do bem estar para atleta”, explica Maria Celeste.

Mulheres que praticam exercícios físicos devem sempre estar atentas aos seus corpos e procurar ajuda médica se perceberem sinais de que algo não está bem. A atividade física também deve ser discutida com a ginecologista em consultas de rotina.

Fonte: Play Press, Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Rio Grande do Sul, 8 de agosto de 2012

Copyright © 2012 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: