Publicidade

Notícias de saúde

Scanners corporais de aeroportos não oferecem risco, aponta estudo

18 de novembro de 2011 (Bibliomed). Os scanners de aeroportos foram proibidos na Europa por poderem oferecer riscos à saúde, devido à radiação emitida por eles. Mas pesquisadores da Universidade de Rochester (EUA) afirmam que como a dosagem de radiação emitida é muito pequena, é improvável que os aparelhos possam causar câncer ou outras doenças.

De acordo com o órgão de regulamentação de transporte dos Estados Unidos (o Transportation Security Administration), a quantidade de radiação emitida, cerca de 0,15 microsieverts, é muito baixa, sendo equivalente à radiação a qual uma pessoa fica exposta ao voar em avião durante dois minutos. Para que o limite anual de radiação fosse ultrapassado, o indivíduo teria que ser escaneado mais de mil vezes por ano.

O risco da exposição existe porque a radiação pode danificar as células do DNA, transformando-as em células cancerígenas. Mas a comunidade médica não sabe se esses danos sempre acontecem com a exposição a doses baixas e o quão grande é o risco de câncer.

Porém, existe a possibilidade de que algumas pessoas sejam mais vulneráveis à radiação de scanners de aeroportos, por terem conduções hereditárias que podem comprometer sua habilidade de reparar as células do DNA. Essas pessoas devem ser mais cuidadosas. É importante também que a exposição da radiação seja fiscalizada, para que ela se mantenha nos níveis recomendados pelas autoridades.

Fonte: Live Science 17 de novembro de 2011

Copyright © 2011 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: