Publicidade

Notícias de saúde

Traumas Aumentam Risco de Distúrbio Psiquiátrico, Diz Estudo

NOVA YORK (Reuters Health) - Enquanto experiências traumáticas, como estupro ou contato com morte ou violência, são conhecidos por aumentar o risco de as pessoas desenvolverem problemas psiquiátricos, poucos médicos perguntam sobre esses acontecimentos a seus pacientes, sugerem as descobertas de um estudo.

Ao perguntar sobre esses episódios, o trabalho dos clínicos gerais poderia ser facilitado na hora de diagnosticar distúrbios psiquiátricos, como depressão e ansiedade, além de auxiliá-los a oferecer tratamento apropriado e a conter custos do sistema de saúde, relataram os pesquisadores na edição de setembro do periódico científico Archives of Family Medicine.

"Investigar a exposição a experiências traumáticas pode ajudar os clínicos a identificar indivíduos com alto risco para distúrbio psiquiátrico", segundo E. Alison Holman e Roxane Cohen Silver, da Universidade da Califórnia, em Irvine, e Howard Waitzkin, da Universidade do Novo México, em Albuquerque.

Para garantir uma amostra com diversidade étnica, os estudos envolveram mais de 1.400 imigrantes, entre 18 e 66 anos, que vivem nos Estados Unidos. Eles eram predominantemente de baixa renda e foram atendidos em uma clínica comunitária.

Os resultados mostraram que cerca de 10 por cento das pessoas atendidas por clínicos gerais tiveram uma experiência traumática durante o último ano, e 57 por cento sofreram um trauma em algum momento da vida.

As descobertas indicam que esses pacientes eram duas vezes mais propensos a desenvolver distúrbio psiquiátrico, em relação àqueles que não passaram por nenhum trauma.

Os imigrantes da América Central tiveram as taxas mais altas de relatos de traumas (72 por cento) e os imigrantes mexicanos, as mais baixas (44 por cento). Contudo, tanto os imigrantes mexicanos quanto os da América Central apresentaram índices menores de violência doméstica em comparação aos brancos e aos latinos nascidos nos Estados Unidos.

Os imigrantes da América Central foram 76 por cento mais propensos a sofrer situações traumáticas do que os brancos nascidos nos Estados Unidos.

Os mexicanos nascidos nos EUA foram 40 por cento menos propensos a traumas do que os caucasianos. Os resultados mostraram que os mexicanos também tiveram menos propensão a diagnósticos de distúrbios psiquiátricos em relação aos latinos ou aos brancos não latinos nascidos naquele país.

Outros dados mostraram que as pessoas com distúrbio psiquiátrico frequentaram mais a clínica de saúde nos seis meses posteriores à entrevista com os pesquisadores.

"A extensão com que as experiências traumáticas aumentaram o risco de desenvolver distúrbios psiquiátricos, sugerem, de acordo com nossos dados, que eles podem contribuir indiretamente para o declínio nas funções físicas e para maior utilização dos serviços", concluiu a equipe.

Os pesquisadores informaram ainda que os médicos irão perceber um aumento de grupos diversos de pacientes por causa das imigrações. Muitos imigrantes terão experiências traumáticas em seus países, durante a imigração para os Estados Unidos, ou depois que chegarem.

"Dado o alto risco de viver (uma situação) de trauma entre os imigrantes e o recente aumento na imigração, é ainda mais provável que as unidades de atendimento primário encontrem pacientes que passaram por alguma experiência traumática na vida", concluíram os autores.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: