Publicidade

Notícias de saúde

Lei Que Restringe Fumo não Prejudica os Negócios, Diz Estudo

Por Chris Cunnigham

NOVA YORK (Reuters Health) - De acordo com um estudo recente, realizado no Roswell Park Center Institute, em Buffalo, Nova York, as previsões de que a aprovação da legislação que restringe o fumo em restaurantes poderia representar prejuízo econômico para o negócio têm se mostrado infundadas.

O coordenador da pesquisa, Andrew Hyland, disse à Reuters Health que não verificou praticamente nenhum efeito negativo sobre as vendas dos restaurantes por causa das restrições do fumo decretadas em cidades de Nova York, Califórnia, Clorado, Massachusetts, Arizona e Texas.

Hyland apresentou as conclusões do estudo no último encontro da International Society for Environmental Epidemiology (Sociedade Internacional para Epidemiologia Ambiental) e baseou a revisão em dados já existentes, focalizando os efeitos da implementação de políticas para restrição ao cigarro.

Segundo o pesquisador, as leis que restringem o fumo em restaurantes não só têm poucos efeitos adversos na renda dos estabelecimentos como também os proprietários dos negócios têm conseguido cumprir a lei com relativa facilidade.

Entre suas observações, Hyland notou que a renda nos bares da Califórnia aumentou 6 por cento em 12 meses, depois que o fumo foi restrito naqueles estabelecimentos, e que os consumidores na cidade de Nova York continuaram a jantar fora com a mesma frequência.

Para Hyland, boa parte da oposição às políticas de restrição do fumo vem de restaurantes e indústrias de tabaco. Os opositores têm argumentado que uma lei desse tipo poderia provocar desastres econômicos para os restaurantes, pois levaria os fumantes a comer fora com menos frequência.

Para os que são contra, a legislação dificilmente seria cumprida.

Os estudos que avaliam a opinião de consumidores sobre as leis de restrição do fumo têm indicado que os fumantes são mais suscetíveis a apoiar as leis que se opor a elas.

"Há muito apoio às leis, mesmo entre quem fuma. Realmente, cerca de 10 por cento dos fumantes radicais se opõem a ambientes onde é proibido fumar", explicou Hyland. Mais de 80 por cento dos não-fumantes são favoráveis a leis para restrição do cigarro.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: