Publicidade

Notícias de saúde

Grupos Feministas e Contra o Aborto Enfrentam-se no México

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Grupos feministas e contrários ao aborto enfrentaram-se na sexta-feira no início da discussão de um polêmico projeto de lei que imporia novas regras para a realização de abortos legais.

Mais de 100 simpatizantes de organizações populares esquerdistas e feministas hostilizaram os cerca de 20 membros do principal grupo antiaborto do país, o Pró Vida.

Eles quebraram e queimaram alguns dos cartazes dos manifestantes do Pró Vida e os obrigaram a abandonar o local. Os confrontos ocorreram em frente à sede da Assembléia Legislativa, onde se discute o projeto.

A iniciativa, proposta pela chefe do governo da Cidade do México, Rosario Robles, estabelece que o aborto é legal quando a gravidez oferece risco de saúde à mãe e quando o feto apresenta alterações congênitas.

"É possível que a reforma do Código Penal local seja aprovada neste fim-de-semana", disse um porta-voz da Assembléia, de 66 membros.

As novas regras podem ser aprovadas com o voto majoritário dos deputados do partido de esquerda de Robles, o Partido da Revolução Democrática (PRD) e contariam com o apoio da bancada oficialista.

O direitista Partido da Ação Nacional (PAN), do presidente eleito Vicente Fox, disse que votaria contra a reforma devido à pressa com que foi apresentada e a uma suposta intenção da esquerda de aprová-la sem consultar a população.

"Somos contra a iniciativa", disse o líder do PAN na Cidade do México, José Luege.

O projeto foi apresentado ao mesmo tempo em que o país vive uma polêmica nacional iniciada há três semanas, logo que o parlamento do Estado central de Guanajuato, dominado pelo PAN, aprovou a prisão para mulheres que praticassem aborto, mesmo para aquelas que foram estupradas.

Fox, um empresário conservador que assumirá a presidência em 1 de dezembro para um mandato de seis anos, foi governador de Guanajuato de 1995 a 1999.

A controvertida reforma do Código Penal de Guanajuato deve ser vetada ou ratificada dentro de nove dias pelo governador interino, Ramón Martín Huerta, que também é membro do PAN. Se Huerta decidir ratificar a reforma, Guanajuato será o único Estado do país a punir o aborto sem atenuantes.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: