Publicidade

Notícias de saúde

Estudo relaciona qualidade do sono e depressão infantil

19 de Dezembro de 2002 (Bibliomed). A análise dos transtornos do sono pode ser uma forma eficaz de detectar precocemente a depressão na infância, caracterizada por tristeza, ansiedade, pessimismo, mudanças no hábito alimentar e no sono, fraqueza, dores, tonturas e mal-estar geral, ou mesmo irritação, agressividade, hiperatividade e rebeldia. É o que atesta um estudo realizado no Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que revelou que pelo menos 75% dos pacientes com depressão apresentavam perturbações do sono.

O estudo – que ganhou o prêmio de melhor trabalho científico no VI Congresso Paulista de Neurologia e Psiquiatria Infantil – envolveu 40 crianças com idade entre 6 e 12 anos, diagnosticadas no Hospital das Clínicas por meio de entrevista e análise dos sintomas, e encaminhadas para o Instituto do Sono da Unifesp.

A pesquisadora Maria Cecília Lopes Conceição conseguiu provar que, assim como nos adultos com depressão, a fase do sono correspondente ao Movimento Rápido dos Olhos (REM) também chega mais rápida nas crianças com depressão. O sono é divido em duas fases: Sono Sem Movimentos Oculares Rápidos (NREM), que é o sono mais leve e é subdividido em quatro fases, e uma fase de Sono com Movimentos Oculares Rápidos (REM), que é mais profundo. É nesse estágio que ocorrem os sonhos. Esse processo todo se repete por três ou quatro vezes.

A duração dos ciclos NREM-REM é de 90 minutos. No caso das crianças deprimidas, o REM é atingido mais rapidamente e também apresenta duração mais curta do que em crianças saudáveis. “O REM é uma fase importante para a memória. Quem apresenta o distúrbio, pode ter, além da depressão, problemas de aprendizado”, disse a pesquisadora, acrescentando que o distúrbio também pode acarretar problemas orgânicos, como uma produção menor do hormônio do crescimento.

O trabalho foi pioneiro ao utilizar a polissonografia para detectar com precisão a depressão em crianças. Até o momento, a detecção da doença vinha sendo feita em consultório, por meio de entrevista com o paciente e da suspeita dos pais em relação a alterações comportamentais da criança. Com o exame polissonográfico é possível medir todas as contrações musculares e alterações neurofisiológicas que ocorrem durante os diversos estágios do sono.

Informações sobre o Ambulatório de Distúrbios do Sono na Infância e Adolescência podem ser obtidas através do telefone (11) 5539-6933, das 8 às 16 horas.

Copyright © 2002 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: