Publicidade

Notícias de saúde

Cérebro de Mulher é Mais Vulnerável a Danos do Álcool

Por Amy Norton

NOVA YORK (Reuters Health)
- O cérebro das mulheres pode ser particularmente vulnerável ao dano causado pelo alcoolismo, sugerem descobertas de uma nova pesquisa. O estudo é o primeiro a demonstrar diferenças de gênero na "redução" cerebral que atinge alcoólatras.

O principal autor do estudo, Daniel W. Hommer, disse à Reuters Health que o estudo se soma a outros trabalhos mostrando que as mulheres podem estar mais propensas à lesão hepática e cardíaca de abuso de álcool.

"Estamos demonstrando que o cérebro é basicamente o mesmo que esses órgãos", afirmou Hommer.

Os cientistas, do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo, em Bethesda, Maryland, apresentaram suas descobertas na edição de fevereiro de American Journal of Psychiatry.

No estudo, os pesquisadores realizaram imagens cerebrais de 79 homens e mulheres alcoólatras após três semanas de sobriedade. Depois, eles compararam os volumes cerebrais com os de 39 participantes saudáveis.

Hommer e sua equipe descobriram que, enquanto os homens alcoólatras apresentaram sinais de "redução" cerebral comparados a homens saudáveis, a diferença entre as mulheres alcoólatras e saudáveis foi ainda maior. Provavelmente, a redução reflete a morte dos neurônios, de acordo com Hommer.

Em média, as mulheres alcoólatras apresentaram um volume cerebral 11 por cento menor do que o de mulheres saudáveis. Hommer destacou que é pouco provável que essa diferença provoque uma diminuição significativa na capacidade mental.

Nenhuma das participantes, que tinham uma média de 40 anos, apresentaram sinais de déficit mental.

Hommer ressaltou que a redução cerebral aumenta com a idade em todas as pessoas. As diminuições precoces observadas em alcoólatras pode torná-los mais vulneráveis à queda cognitiva e senilidade à medida que envelhecem, explicou o pesquisador.

"O alcoolismo está relacionado à senilidade", disse Hommer. E esse estudo sugere que as mulheres alcoólatras podem estar particularmente sob risco.

Além dos efeitos relacionados à idade, a lesão cerebral ligada ao álcool pode prejudicar a capacidade de uma pessoa de largar o vício, embora mais pesquisas nessa área sejam necessárias, de acordo com Hommer.

Não se sabe ainda exatamente porque o consumo exagerado de álcool teria efeitos mais profundos nas mulheres. Mas Hommer destacou que a mesma quantidade de álcool aumenta mais os níveis de álcool no sangue em mulheres do que em homens, o que poderia explicar os efeitos diferentes no cérebro.

Hommer afirmou que pouco se sabe sobre como o consumo exagerado de álcool afeta o cérebro de pessoas que não são alcoólatras. Os pacientes do estudo bebiam cerca de 12 drinques por dia. Não se sabe o que três, quatro ou cinco drinques por dia podem fazer, acrescentou o pesquisador.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2001 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: