Publicidade

Notícias de saúde

Existem diferenças de gênero no prognóstico de pacientes que sofreram um derrame cerebral

24 de março de 2015 (Bibliomed). As diferenças sexuais nos desfechos clínicos após acidente vascular cerebral têm sido relatadas em todo o mundo. Este estudo teve como objetivo elucidar se o sexo é um fator de risco independente do resultado funcional ruim após acidente vascular cerebral isquêmico agudo. Usando o banco de dados de pacientes com AVC agudo registrado no Registro de Fukuoka no Japão 1999-2013, 6.236 pacientes previamente independentes com primeiro AVC isquêmico que foram admitidos no prazo de 24 horas do início, foram incluídos neste estudo. As características basais foram avaliadas no momento da admissão. Resultados do estudo incluíram melhora neurológica, deterioração neurológica e mau resultado funcional (escore de Rankin modificado, 3-6 na alta).

No geral, 2.398 pacientes (38,5%) eram mulheres. Acidente vascular cerebral grave na admissão foi mais prevalente em mulheres do que em homens. A frequência de melhora neurológica ou deterioração durante a hospitalização não foi diferente entre os sexos. Após o ajuste para possíveis fatores de confusão, incluindo a idade, subtipo de acidente vascular cerebral, gravidade, fatores de risco e tratamentos pós-AVC, verificou-se que o sexo feminino foi independentemente associado com pior resultado funcional na alta. Houve heterogeneidade de associação entre sexo e mal resultado, de acordo com a idade: as mulheres apresentaram maior risco de desenvolver complicações do que os homens entre os pacientes com idade ≥70 anos, mas não houve diferença em pacientes com idade <70 anos.

Os autores concluíram que o sexo feminino foi associado com um pior risco de resultado funcional após acidente vascular cerebral isquêmico agudo.

Fonte: Stroke; 2015; 46: 471-476.

Copyright © 2015 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: