Notícias de saúde

Associação da raça e etnia com a gravidade da depressão em idosos

01 de junho de 2020 (Bibliomed). Persistem lacunas de conhecimento em relação à variação racial e étnica na depressão em idosos, incluindo diferenças nos sintomas depressivos específicos e disparidades nos cuidados.

Pesquisa recente objetivou examinar se os idosos de grupos raciais e étnicos minoritários nos Estados Unidos diferem dos idosos brancos não-hispânicos em relação à gravidade da depressão, sintomas depressivos e cuidados com a depressão.

Este estudo transversal de 25.503 adultos idosos (idade média 67,1 anos) da comunidade encontrou disparidades raciais/étnicas significativas, com maior pontuação geral de gravidade da depressão, chances de 1,5 a 2 vezes mais chances de vários sintomas depressivos e menor prevalência de cuidados de depressão entre participantes pertencentes a grupos minoritários, após ajuste para fatores de confusão.

Neste estudo, observou-se uma maior gravidade da depressão em idosos de grupos minoritários, principalmente negros e hispânicos, além de haver variação racial/étnica na carga de sintomas depressivos por itens específicos, como anedonia, tristeza, culpa, concentração. Também havia fortes evidências de disparidades étnicas/raciais no tratamento antidepressivo e de aconselhamento entre adultos mais velhos com depressão, afetando particularmente mulheres negras mais velhas com depressão. Trabalhos futuros em ambiente longitudinal poderiam esclarecer como as diferenças raciais/étnicas observadas em este estudo sobre a gravidade do LLD, carga de sintomas e cuidados pode evoluir com o tempo.

Fonte: JAMA Network Open. DOI: 10.1001/jamanetworkopen.2020.1606.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários