Publicidade

Notícias de saúde

Comerciais de TV Podem Ajudar Pessoas a Parar de Fumar

NOVA YORK (Reuters Health) - Os efeitos prejudiciais do cigarro mostrados nos anúncios são bem conhecidos. Agora, pesquisadores da Grã-Bretanha demonstraram a eficácia de peças publicitárias de televisão para ajudar as pessoas a abandonar o vício.

O estudo da Agência de Desenvolvimento de Saúde da Grã-Bretanha (HDA), formalmente chamada de Autoridade em Educação para Saúde, exibiu uma campanha de televisão em três áreas com altas taxas de tabagismo.

Os comerciais destacaram o ator e comediante John Cleese, do famoso filme Monty Python, falando sobre os riscos do fumo e dando conselhos para deixar de fumar.

A maioria dos anúncios usou humor mórbido para enfatizar os danos do cigarro e "mostrar como o hábito é ridículo", explicaram Dominic McVey, da HDA, e seu colega John Stapleton, do Instituto de Psiquiatria, em Londres.

Os pesquisadores entrevistaram mais de 2 mil fumantes e não-fumantes antes de o anúncio ser exibido, e novamente após seis e 18 meses. Depois de 18 meses, cerca de 18 por cento dos fumantes haviam parado de fumar e apenas 4,3 por cento de ex-fumantes tiveram uma recaída, conforme o relatório publicado na revista Tobacco Control.

Fumantes e não-fumantes que viram os anúncios foram cerca de 50 por cento mais propensos a não fumar, comparados a pessoas que moravam em regiões onde os comerciais não foram veiculados.

Os pesquisadores estimam que os comerciais de televisão antifumo podem diminuir a taxa de tabagismo em cerca de 1 por cento, suficiente para causar "um grande impacto na redução das doenças relacionadas ao cigarro".

De acordo com os autores, os resultados apóiam a recente decisão do governo britânico de financiar campanhas antifumo na televisão. "Na Grã-Bretanha, o cigarro é responsável por cerca de 1 milhão de mortes por câncer e doenças cardíacas a cada dez anos", mostrou o relatório.

"Embora os perigos do fumo sejam conhecidos há muitos anos, os governos têm sido vagarosos em reagir contra o problema com recursos e legislação frequentemente empregadas em outras questões de saúde pública menos devastadoras", escreveu McVey e Stapleton.

"A velha máxima de que a prevenção é melhor que a cura parece não ter sido levada em conta em relação às doenças causadas pelo fumo", disseram os autores.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: