Publicidade

Notícias de saúde

Estudo associa diabetes à infertilidade masculina

11 de julho de 2008 (Bibliomed). O diabetes tem um impacto direto na fertilidade masculina, causando danos ao DNA do esperma, segundo estudo apresentado, nesta semana, na conferência da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia. Especialistas do Reino Unido dizem que o aumento do número de diabéticos jovens em um momento de preocupação mundial com a fertilidade masculina não é uma simples coincidência.

Embora a visão que ainda prevaleça seja a de que o diabetes tenha pouca influência sobre a função reprodutiva, a pesquisa da Queen's University, que avaliou amostras do sêmen de diabéticos que recebiam insulina, indica que a doença influencia a fertilidade masculina no nível molecular.

Os autores destacaram que, na pesquisa, as análises iniciais no microscópio não indicaram alterações além da pequena redução no volume. Porém, com uma avaliação mais profunda que não é feita rotineiramente nas análises de sêmen, os especialistas notaram danos no DNA.

"O RNA do sêmen estava significativamente alterado, e muito das mudanças que observamos são na transcrição do RNA envolvida no reparo do DNA. E a comparação com dados de homens férteis confirmou nossas descobertas. Diabéticos têm uma significativa redução em sua habilidade de reparar o DNA do esperma, e uma vez que isso é danificado, não pode ser restaurado", explicaram os autores.

Os resultados mostraram que havia uma redução de 14 vezes na expressão de uma proteína chamada ornitina decarboxilase, responsável pela produção de espermina e espermidina, compostos ligados ao crescimento celular e que ajudam a estabilizar a estrutura do DNA. E isso, junto com o aumento dos níveis de um composto chamado espermatogênese 20, "indica claramente que ter diabetes tem uma influência direta na saúde do sêmen".

E a baixa qualidade do DNA do esperma está associada à redução da qualidade do embrião, a baixas taxas de implantação do embrião, altas taxas de aborto e algumas doenças infantis graves, como cânceres.

Mais estudos são necessários para entender melhor o mecanismo bioquímico dessa relação e para desenvolver uma abordagem que reduza o impacto da doença sobre a fertilidade.

Fonte: EurekAlert. Public release – 09 de julho de 2008.

Copyright © 2008 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: