Publicidade

Notícias de saúde

Colheres São Ineficazes Para Medir Remédios

Por Alan Mozes

NOVA YORK (Reuters Health) - Um artigo publicado este mês no Journal of Family Practice (Jornal da Prática Familiar) fornece evidências de que colheres caseiras não são a melhor maneira de medir as doses dos medicamentos líquidos.

Conforme os pesquisadores, um quarto de século depois que a American Academy of Pediatrics (Academia Americana de Pediatras) chamou atenção para administrações incorretas de medicamentos líquidos feitas com colheres caseiras, quase 75 por cento dos americanos ainda usa a colher de chá para medir as doses.

Os pesquisadores observaram que o volume pode variar de dois a dez mililitros, dependendo do tamanho da colher. Acrescente-se a esta variação a forma como as pessoas fazem a medida usando a mesma colher, tem-se um potencial problema na quantidade de remédio tomada.

"Pode haver muitos resultados diferentes, de pessoa para pessoa, usando uma colher de chá. Mas mesmo sabendo há anos que a colher caseira não é uma boa maneira de medir a dose do remédio, é isso que as pessoas ainda estão usando", disse Diane J. Madlon-Kay, chefe do estudo e professora associada da Escola de Medicina da Universidade de Minnesota.

Em 1996 Madlon-Kay e Frederick S. Mosch entrevistaram 105 mulheres e 25 homens nas salas de espera de três clínicas na região de St. Paul, Minnesota. Os estrevistados vinham de várias áreas, variadas etnias e camadas sociais. Todos foram observados e testados sobre o uso habitual de instrumentos de dosagens, habilidade para medir corretamente as doses indicadas, capacidade de interpretar corretamente as instruções sobre a dosagem, sempre levando em conta a freqüência recomendada das doses diárias e a quantidade apropriada para crianças, conforme idade e do peso.

Madlon-Kay e Mosch verificaram que 37 por cento do grupo usou colher de chá para medir doses líquidas e que o erro mais comum foi confundir medida de colher de chá ao invés de colher de sopa. Os pesquisadores também verificaram que, de todas as opções disponíveis -- seringas para dosagem oral, colheres cilíndricas, o conta-gotas e um medidor de bebê -, a seringa foi a mais efetiva, pois 92 por cento do grupo conseguiu fazer medidas corretas quando a usaram. Os pesquisadores notaram que a mesma porcentagem de pessoas usou corretamente a colher cilíndrica, mas o uso deste instrumento envolveu derramamentos repetidos e exigiu muitas tentativas antes de conseguir administrar corretamente a dosagem.

Os pesquisadores também verificaram que as mulheres foram significativamente melhores em administrar remédios que homens. No total, quase nove em cada dez pessoas determinaram corretamente a dosagem para criança, o número de doses e o intervalo indicado nas instruções, quando era dito que o remédio deveria ser tomado três ou quatro vezes por dia. Entretanto, menos de quatro em cada dez pessoas interpretaram corretamente as instruções quando era dito para tomar o remédio a cada seis horas.

Madlon-Kay e Mosch concluíram que a seringa oral continua sendo a preferida para medir a dosagem e, quando possível, as instruções deveriam indicam o número de dosagens diárias mais que o número de horas de intervalo entre as doses.

Em entrevista à Reuters Health, Madlon-Kay expressou sua preocupação com o fato de que a informação não tem chegado ao público, alertando para os perigos de dosagens incorretas.

"No campo da medicina, sabe-se disso há algum tempo, mas não tenho certeza como tem chegado ao público. É fácil ter erros potencialmente significativos se não usarmos o instrumento correto. Essas coisas -- como seringas orais -- não são caras e estão disponíveis. Talvez seja apenas uma questão de os médicos educarem seus pacientes", disse a pesquisadora.

Madlon-Kay enfatizou que a superdosagem ou a dosagem insuficiente podem nem sempre levar a conseqüências graves quando administradas a adultos, mas uma atenção maior deve ser dada aos efeitos de erros que podem existir em dosagens para crianças.

"Para crianças, a dosagem tem que ser mais precisa que para adultos e para certos medicamentos torna-se um problema maior que para outros. Dar muito de preparações geladas para um adulto pode não fazer diferença mas para crianças em convalescença pode fazer uma grande diferença", disse Modlon-Kay

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: