Publicidade

Notícias de saúde

Insulina Pode Reduzir Risco de Doenças Cardíacas

Por Suzanne Rostler

NOVA YORK (Reuters Health) - Níveis altos de insulina no sangue não parecem contribuir para o surgimento de doenças cardíacas, revela um novo estudo. Na verdade, o hormônio pode ajudar a proteger contra os males do coração em pessoas sob risco.

As descobertas contradizem pesquisas que sugerem uma relação entre a insulina - o hormônio que deposita açúcar (glicose) dentro das células - e doenças cardíacas.

A teoria é baseado no fato de que pessoas com diabete do tipo 2, uma doença em que o corpo não responde normalmente à insulina e resulta em seu excesso no sangue, apresentam taxas desproporcionalmente altas de doenças cardíacas.

Agora, uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual de Nova York, em Buffalo, relatou que a insulina aumenta os níveis de óxido nítrico, um composto que dilata os vasos sanguíneos, no sangue e aumenta a produção de uma enzima que sintetiza o dilatador.

Ao mesmo tempo, a insulina reduz os níveis da molécula de adesão intracelular 1 (ICAM-1, sigla em inglês para intracellular adhesion molecule-1), um composto que leva à inflamação e entupimento das artérias.

Altos níveis de ICAM-1 no sangue têm sido relacionados ao risco de doenças cardíacas.

"Esta é uma descoberta muito importante", disse Paresh Dandona, coordenador do estudo.

"Pessoalmente, acredito que ela irá destruir a hipótese que relaciona a insulina e a aterosclerose", afirmou Dandona, acrescentando que os resultados podem levar médicos a prescreverem insulina de forma terapêutica a pacientes sob risco de doenças cardíacas.

Para investigar os efeitos da insulina na ICAM-1, os pesquisadores adicionaram o hormônio em células da aorta humana, a principal artéria do corpo. Depois, eles expuseram as células a um composto que inibe a produção de óxido nítrico e descobriram que quando as células não produzem óxido nítrico suficiente a capacidade de produzir ICAM-1 também é prejudicada.

"As implicações são de que a insulina, que até agora era considerada um fator que promove a aterosclerose, na verdade pode ser ativa como um antiinflamatório", disse Dandona.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: