Publicidade

Notícias de saúde

Estudo Genético Poderá Ajudar a Identificar Obesidade

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os endocrinologistas brasileiros estão preocupados em deter o aumento da obesidade no país. Para auxiliar nessa tarefa, confiam no avanço da pesquisa genética, que poderá ajudar a identificar e orientar as pessoas com predisposição à doença.

"A obesidade é uma doença letal e o Ministério da Saúde já considera a existência de uma epidemia no Brasil", disse à Reuters o presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Amélio Godoy de Matos.

Segundo o médico, a obesidade é um dos principais assuntos do 24o. Congresso Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia que começou no dia 18 e vai até 22 de novembro, no Rio de Janeiro. No Brasil, 30 por cento da população adulta feminina e 26 por cento dos homens adultos são obesos ou têm excesso de peso, segundo Matos. Considera-se obesa a pessoa que tem índice de massa corporal igual ou maior que 30, uma média entre a altura e o peso que pode ser calculada dividindo-se o peso (em quilos) pela altura (em metro) elevada ao quadrado.

Godoy disse que as novidades para tratar a obesidade vêm de estudos da resposta genética humana às mudanças ambientais.

A presença de determinadas variações genéticas entre as pessoas não determinariam a doença, mas seriam responsáveis pela resposta ao ambiente que cada pessoa apresentará.

A existência de receptores variantes para a cortisona, por exemplo, poderia favorecer a deposição de gordura abdominal a partir do estímulo do estresse sobre o eixo hipotálamo-hipófise-supra-renal, glândula produtora da cortisona.

"Provavelmente temos genes que nos defendiam da escassez de alimentos. Hoje, o ambiente mudou e os genes favorecem o aumento de peso", explicou o endocrinologista.

No congresso também estão sendo apresentadas as vantagens das técnicas de videolaparoscopia aplicadas a cirurgias de redução do estômago. Essas intervenções são indicadas para casos de obesidade severa ou quando o excesso de peso compromete diferentes aspectos da saúde da pessoa.

A videolaparoscopia torna o procedimento menos traumático por evitar o corte de músculos, reduzindo o risco para o paciente e o período de internação.

As mudanças hormonais específicas de cada faixa etária, com destaque especial para a chamada andropausa, também serão discutidas. "Sintomas atribuídos apenas à idade podem estar relacionados a casos de queda acentuada de hormônios e podem ser tratados com reposição hormonal", explica Godoy.

Segundo o especialista, os hormônios masculinos começam a diminuir a partir dos 35 ou 40 anos de idade, chegando a uma redução de um terço aos 70 anos. As manifestações variam desde cansaço, diminuição da força e densidade óssea até prejuízo do raciocínio e da libido.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: