Publicidade

Notícias de saúde

Programa Anti-Aids do Brasil é Apontado como Modelo

Por Shasta Darlington

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quando a Aids surgiu no cenário da saúde mundial, na década de 80, o Brasil era uma dos países mais atingidos pela doença. Desde então, tem controlado a epidemia e se tornou um modelo na luta contra a Aids.

"A África da Sul estava em situação melhor do que o Brasil nos anos 80, mas, ao contrário do país africano, percebemos que tínhamos que agir", disse Paulo Teixeira, coordenador do programa de Aids do Ministério da Saúde, à Reuters.

Atualmente, cerca de 25 por cento dos adultos da África do Sul estão infectados com o HIV, comparados a cerca de 0,6 por cento no Brasil.

"Estabilizamos a Aids e agora esperamos que a taxa comece a cair", afirmou Teixeira, que preside o fórum de Aids na América Latina e Caribe, que está sendo realizado no Rio e vai até sábado.

Desde o início o Brasil desafiou a posição da Igreja Católica, contrária ao uso de preservativos, e lançou um programa de prevenção agressivo que tinha como alvo direto desde a comunidade gay até meninos de rua usuários de drogas ou o público geral no Carnaval.

Outdoors e propagandas de televisão pediam que brasileiros usassem preservativos.

Este ano, cerca de 10 milhões de camisinhas foram distribuídas no Carnaval e o governo disse que vai lançar um plano para fornecer agulhas gratuitamente.

PROGRAMA DE DROGAS GRATUITAS "O Brasil tem um dos melhores programas de Aids do mundo", disse o diretor-executivo do Unaids (Programa das Nações Unidas para Aids), Peter Piot, à Reuters.

"Eles tiveram uma resposta precoce e os recursos foram empregados onde o problema estava presente", acrescentou Piot.

A principal razão do sucesso do Brasil é um programa de distribuição de drogas mais do que controverso que colocou o país contra grandes laboratórios.

Em 1994, o governo fez um apelo a empresas brasileiras para que passassem a produzir drogas anti-Aids. Atualmente, o país produz oito das 12 drogas anti-retrovirais usadas no chamado coquetel anti-Aids. Os preços destas drogas foram reduzidos em mais de 70 por cento.

"Agora, precisamos dar início à produção de outras (drogas), mesmo que isso signifique quebrar leis de patente", afirmou Teixeira. "Vamos tentar e negociar, mas, caso isso não funcione, o governo vai quebrar as leis", acrescentou Teixeira.

Um tratamento-padrão custa hoje cerca de 4.500 dólares ao ano no Brasil, comparado a cerca de 12.000 dólares nos Estados Unidos.

No Brasil, o governo fornece as drogas gratuitamente. Em 2000, o país está gastando 510 milhões de dólares em programas de Aids e a maior parte destes recursos será empregada em tratamento.

O Brasil foi escolhido para sediar o 1o. Fórum de Aids na América Latina e Caribe esta semana e está liderando a união de esforços para comprar drogas anti-Aids em grandes quantidades para a região e forçar a queda de preços.

"Um movimento para democratizar a medicina em escala global é necessário", disse o ministro da Saúde, José Serra, durante a sessão de abertura do fórum.

O Brasil, no entanto, ainda enfrente novos desafios. A disseminação da Aids caiu entre gays e usuários de drogas, mas os últimos números do governo mostram que donas de casa de pequenas cidades são as últimas vítimas.

Em dezembro, o governo irá lançar uma campanha que pretende atingir os maridos adúlteros.

"Vamos usar outdoors e revistas para falar a eles que sejam responsáveis, usem preservativos, em vez de levar a infecção para dentro de casa", disse Teixeira.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: