Publicidade

Notícias de saúde

Testada droga que Poderá Combater Alzheimer

Por Keith Mulvihill

NOVA YORK (Reuters Health) - Uma droga que reverteu 'dramaticamente' os sintomas da doença de Alzheimer em ratos está sendo estudada na Austrália, afirmaram cientistas durante o encontro da Sociedade de Neurociência em Nova Orleans, no domingo.

A doença de Alzheimer é um distúrbio que tem como característica principal a senilidade progressiva. Durante o avanço da enfermidade, placas protéicas e emaranhados nervosos se formam gradualmente, distorcendo a arquitetura do cérebro. A doença vitima cerca de 22 milhões de pessoas em todo o mundo.

Cientistas consideram que uma proteína natural do organismo chamada amilóide desempenha um papel importante nesse processo destrutivo.

"Nos últimos dez anos, estamos estudando a teoria de que a principal parte do problema da doença de Alzheimer é que existe uma regulação anormal da capacidade cerebral de utilizar o cobre e o zinco naturais no organismo -- minerais essenciais que são encontrados principalmente no tecido cerebral", disse Ashley Bush, do Hospital Geral de Masschusetts, em Boston, à Reuters Health.

"Descobrimos que a proteína amilóide se liga ao cobre e ao zinco fortemente. À medida que a proteína amilóide se acumula no cérebro, ela se liga ao cobre e ao zinco -- como tijolos se unem à argamassa -, o que causa a formação das placas", explicou Bush.

"Provavelmente, o acúmulo dessa proteína é o melhor alvo para terapia", acrescentou.

Bush e sua equipe testaram uma droga conhecida como PBT3 em ratos geneticamente modificados para apresentar uma forma grave de uma doença semelhante ao Alzheimer.

Os cientistas descobriram que a droga ajudou a quebrar a formação de proteína amilóide se ligando ao cobre e ao zinco.

"Este agente foi particularmente bem-sucedido pois penetra bem no cérebro, apresenta baixa toxicidade e se liga ao cobre e ao zinco", disse Bush à Reuters Health.

"Descobrimos que a droga, quando dada oralmente a estes animais, foi muito eficaz na prevenção e, em alguns casos, na reversão da formação de placas amilóides", acrescentou Bush.

Os animais não sofreram efeitos colaterais e ratos tratados apresentaram uma redução de 50 por cento na formação de placa em nove semanas, em comparação a ratos que não foram tratados -- "este é um resultado muito rápido, muito dramático", de acordo com Bush.

A droga PBT3 está sendo testada em ensaios clínicos em 50 pessoas com doença de Alzheimer na Universidade de Melbourne, na Austrália.

"Como a doença de Alzheimer é um distúrbio lento e progressivo, levará algum tempo para saber os resultados do tratamento", afirmou Bush, que espera finalizar o ensaio em cerca de 12 meses.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: