Publicidade

Notícias de saúde

Brasil é Exemplo na AL e Caribe no Combate à Aids, Diz ONU

Por Shasta Darlington

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A epidemia de Aids está aumentando nos países da América Latina e do Caribe, e isso precisa ser combatido com a discussão de temas polêmicos como sexo entre homossexuais e o uso da camisinha, disse na segunda-feira a Organização das Nações Unidas (ONU). Como exemplo a ser seguido no combate à doença, a ONU citou o Brasil.

"O reconhecimento de que a América Latina, com exceção do Brasil, está enfrentando uma crise de Aids crescente não está acontecendo", disse o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para a Aids (Unaids), Peter Piot, a repórteres antes da abertura da conferência regional de Aids, no Rio de Janeiro, na segunda-feira.

O Caribe possui a segunda maior taxa de infecção com HIV do mundo, atrás somente da África subsaariana, com 5 por cento dos adultos do Haiti e mais de 4 por cento dos adultos das Bahamas vivendo com o vírus.

Muitos países da América Latina não ficam muito atrás. A incidência do vírus entre gays da América Latina é particularmente alta, por exemplo.

"O risco de morrer de Aids está acima de 50 por cento em algumas comunidades (...). Isso é inaceitável", afirmou Piot.

Cerca de 1,6 milhão de pessoas vivem com o HIV na região e cerca de 600 pessoas se infectam com o vírus a cada dia.

Piot disse que o Brasil se tornou um líder na luta contra a Aids, com um programa de distribuição gratuita de drogas e propagandas sobre o uso de preservativo, no entanto, o restante da região resolveu fechar os olhos para o problema.

O diretor-executivo da Unaids destacou o fato de que, na maioria dos países da região, menos de 50.000 dólares ao ano são gastos em prevenção junto à comunidade gay.

Outro obstáculo para programas de Aids nesses países tem sido a religião. "Talvez, na América Latina, mais do que em qualquer outra região do mundo, o uso de preservativos como um instrumento que pode salvar vidas é controverso", disse Piot. Piot ressaltou que a Igreja vem tendo diferentes respostas em diferentes comunidades e tem tendido a apoiar o uso de preservativos localmente. Embora países católicos como Espanha, Itália e Bélgica, pátria de Piot, tenham achado formas de promover o uso da camisinha, os latino-americanos, mais conservadores, têm permitido que a intervenção da Igreja.

Segundo ele, a região precisa reconhecer que a Aids corresponde a uma crise crescente e aplicar realmente recursos onde eles são necessários.

O diretor-executivo do Unaids apontou o Brasil como um exemplo para a região e o mundo. O país apresentava uma das taxas de HIV mais altas do mundo em 1985, mas enfrentou a crise abertamente, trabalhando em conjunto com organizações não-governamentais (ONGs) e autoridades locais para decidir onde os recursos deveriam ser melhor aplicados.

Além disso, o Brasil desafiou os grandes laboratórios ao começar a fabricar drogas anti-Aids a um custo menor. Concorrentes internacionais tiveram que reduzir os preços das drogas anti-retrovirais em mais de 70 por cento.

Piot fez um apelo aos outros países para seguir o exemplo do Brasil em programas de prevenção eficazes e disse que o Unaids está trabalhando com governos e outras agências para tentar negociar compras volumosas de drogas para a região que poderão ajudar a reduzir os preços das drogas ao mesmo nível do Brasil.

Cerca de 0,5 a 0,6 por cento da população adulta brasileira está infectada com o HIV.

A cidade do Rio é sede do fórum de cinco dias sobre a Aids na América Latina e Caribe que irá discutir a prevenção e políticas de tratamento da doença.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: