Publicidade

Notícias de saúde

Mamãe Infeliz Dá à Luz Bebê de Peso Baixo, diz Estudo

Por Charnicia E. Huggins

NOVA YORK (Reuters Health) - Os efeitos do estresse e da rejeição durante a gravidez podem ter efeito direto no peso dos bebês no momento do nascimento, sugerem resultados de um novo estudo.

"Mulheres que apresentam altos níveis de estresse diagnosticado e mulheres com atitudes negativas em relação a sua gravidez (estão) mais propensas a ter um bebê com baixo peso", afirmou Marjorie R. Sable, da Universidade de Missouri-Colúmbia, à Reuters Health.

Entrevistas com cerca de 2.400 mães revelaram que uma mulher que rejeitava sua gravidez estava 73 por cento mais propensa a ter um bebê de peso muito mais baixo -- inferior a 1,6 quilo na hora do nascimento -- do que um bebê de peso normal ou moderadamente baixo.

Mulheres infelizes com sua gravidez também estavam 50 por cento mais propensas a dar à luz bebês de peso muito baixo.

Os pesquisadores explicaram que mulheres que rejeitam a gestação podem estar menos propensas a receber tratamento pré-natal adequado.

De acordo com Sable, essas mulheres também podem estar menos propensas a adotar mudanças no estilo de vida que poderiam significar melhores resultados da gravidez, como praticar exercícios, parar de fumar e beber, melhorar a dieta.

Por outro lado, fatores de estresse como fazer uma hipoteca ou empréstimo ou a morte de um membro familiar próximo protegeram a mãe de ter um bebê de baixo peso ao nascimento.

Sable e sua equipe especulam que a capacidade de fazer uma hipoteca é indicativo de planejamento futuro e pode ser combinado a outras atividades como um cuidado maior com a saúde.

Além disso, o estudo indica que, uma vez que uma condição socioeconômica baixa é um fator de risco para baixo peso ao nascimento, fazer uma hipoteca ou um empréstimo pode ser um indicativo de uma renda maior.

A morte de um membro familiar próximo pode ajudar a fortalecer o senso de valor à vida de uma gestante e, portanto, pode servir como um catalisador para ela se esforçar mais para garantir a saúde do bebê.

Os cientistas acreditam que o apoio social durante o período de perda pode ampliar um suporte e um encorajamento adicionais para a gestante.

"Estas descobertas são aplicáveis a todas as mulheres", destacou Sable. "Mesmo mulheres com uma renda boa e seguro de saúde podem ser avaliadas para estresse e atitudes relacionadas à gravidez", aconselhou a pesquisadora.

"Com os efeitos do estresse no peso na hora do nascimento, a intervenção que tem como foco a redução do estresse e dirige os efeitos de eventos importantes da vida e atitudes em relação à gestação pode ser um método importante na redução de peso muito baixo do recém-nascido", afirmou Sable.

Sable e Deborah Schild Wilkinson analisaram dados do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano/Pesquisa de Saúde Maternal e Infantil de Missouri. As descobertas do estudo serão publicadas na edição de novembro e dezembro do Family Planning Perspectives (Perspectivas de Planejamento Familiar).

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: