Publicidade

Artigos de saúde

Cabelos: eles também merecem atenção

Neste artigo:

- Os cabelos
- Tintura
- Alisamentos
- Calvície
- Caspa
- Hábitos que danificam os cabelos
- Saiba mais

Os cabelos

Loiro ou preto, liso ou encaracolado, curto ou longo, o cabelo literalmente faz a cabeça das pessoas. Há quem dedique muitas horas – e muito dinheiro – cuidando de suas madeixas, mas o cabelo tem função maior do que simplesmente enfeitar a cabeça, e, por isso, merecem atenção.

O cabelo é cada um dos pelos que crescem no couro cabeludo. Em média, cada ser humano adulto tem três milhões de fios capilares, que crescem um centímetro por mês. Os cabelos se diferenciam dos demais pelos do corpo pela concentração em uma só parte do corpo.

Sua função, mais do que emoldurar o rosto, é a de proteger a cabeça da radiação solar, de impactos mecânicos, além de funcionar como um isolante térmico.

Devido à evolução dos processos estéticos e da tecnologia, muitas pessoas gostam de “brincar” com os cabelos para mudar o visual. Alguns mudam a cor, outros a estrutura. Tem que alise, tem quem cacheie, e os resultados podem ficar esteticamente maravilhosos ou não. Contudo, independente do resultado, o fato é que a química pode prejudicar a saúde dos fios e a saúde geral.

Tintura

Uma das formas mais comuns e rápidas de mudar o visual é trocar a cor. Morenas ficam loiras, depois ficam ruivas, e por fim voltam a ser morenas. Sendo luzes, reflexos ou aplicando a tinta em toda extensão dos fios, essa técnica merece cuidados especiais.

Por conterem substâncias químicas, quando mal aplicadas, as tinturas para o cabelo podem causar reações como ardor, coceira, feridas, inchaços no couro cabeludo, reações alérgicas, queda de cabelo e, em alguns casos, desmaios.

Grávidas não devem usar tinta nos cabelos até a décima segunda semana de gestação, uma vez que esses produtos possuem substâncias que podem ser absorvidas pelo organismo da mulher e causar riscos ao bebê que está sendo gerado.

A partir da 12ª semana de gravidez já é possível pintar os cabelos, mas especialistas ressaltam que as mulheres devem optar por produtos sem amônia. Quanto à técnica de luzes, a sugestão é fazer o procedimento só com água oxigenada.

Usar sempre produtos de boa qualidade, certificados pelo Inmetro, é uma forma de se proteger.

Alisamentos

Considerado por muitas mulheres como o cabelo mais prático, os fios lisos fazem a cabeça de grande parte da população feminina. Desde a época em que se usava o ferro quente, passando pela chapinha e chegando à escova progressiva, muitas são as técnicas para alisar as madeixas. Contudo, algumas práticas podem colocar a saúde em risco, mesmo as aparentemente mais inofensivas.

Chapinha e secador

Usar o secador e a chapinha com muita frequência danifica os cabelos devido às altas temperaturas, que podem ultrapassar os 200ºC. O ideal é que esses aparelhos não sejam usados todos os dias. Quem não abre mão dos cabelos lisos deve usar produtos antitérmicos antes de se expor ao secador ou à chapinha. Esses produtos formam uma película em volta do fio, evitando que o calor retire a umidade natural dele e mantenho sua estrutura saudável.

Quem possui cabelos muito finos devem evitar ao máximo a chapinha, pois esse tipo de fio é mais sensível. A chapinha deve ser aplicada em cabelos totalmente secos para evitar o rompimento dos fios.

O uso prolongado desses aparelhos pode fazer com que os cabelos fiquem rebeldes, com frizz, ressecados e sem vida. Nesses casos, o ideal é procurar um especialista para realização de um tratamento intensivo.

Alisamento químico

Durante anos as chamadas pastas foram responsáveis por tentar alisar cabelos rebeldes. Hoje, essas estão sendo substituídas por processos com resultados de duração mais longa, os famosos alisamentos definitivos. A mais popular é a escova progressiva. Levando formol em sua composição, essa técnica garante fios lisos e pouco trabalhosos durante cerca de seis meses. Contudo, formol é uma substância tóxica ao organismo humano, e pode causar reações que vão desde coceiras até choques anafiláticos e câncer, sendo seu uso não recomendado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Calvície

A calvície, ou alopecia androgenética, é uma das doenças que levam à redução ou ausência de pêlos ou cabelos, em qualquer área do corpo. A perda de cabelos consiste em um processo natural do organismo. Um fio de cabelo dura em média 4,5 anos e, após sua queda, é reposto por um novo fio.

A perda diária de fios é de aproximadamente 70 a 100 fios de cabelo. Contudo, pessoas que sofrem com a calvície, não têm essa reposição normal. Dessa forma, a calvície não é um problema de queda de cabelos, e sim de reposição das perdas normais.

A calvície pode ser causada por fatores genéticos, já que indivíduos com familiares acometidos pelo problema apresentam maiores chances de desenvolver a calvície; ou hormonal, que é quando os hormônios masculinos (testosterona) podem afetar diretamente as células responsáveis pelo crescimento do pêlo ou alterar o fornecimento de nutrientes para essas células.

A boa notícia é que a calvície tem tratamento e as pesquisas na área mostram-se cada vez mais promissoras.

Caspa

Ao contrário do que muitos pensam, a caspa não é contagiosa. Ele é uma esfoliação normal da pele, que ocorre em todo o corpo. Contudo, nos cabelos, as escamas mortas da pele podem ficar acumuladas e gerar desconforto.

A causa da caspa não está decisivamente estabelecida, mas ela pode ser agravada pelo frio, transpiração, baixa freqüência de lavagem dos cabelos e estados de tensão nervosa que propiciam o aumento de microorganismos como bactérias e fungos no couro cabeludo, como o fungo Ptyrosporum ovale.

Hábitos que danificam os cabelos

Alguns hábitos para os quais muitas vezes não nos atentamos podem danificar os cabelos. Abaixo segue uma lista de erros comuns:

  • Não enxaguar bem os cabelos deixando resíduos nos fios e couro cabeludo pode acabar com a leveza dos fios e prejudicar o crescimento;
  • Desembaraçar os cabelos rapidamente pode quebrar os fios. O ideal é pentear os cabelos das pontas para a raiz, assim, evita-se o rompimento onde houver nó.
  • Massagear o couro cabeludo com as unhas pode promover feridas.
  • Pentes de plástico não são adequados, pois não são de materiais antiestáticos. O ideal é usar pentes de madeira que ajudam no controle do frizz.
  • Sair com os cabelos molhados faz com que eles se transformem em “esponjas” que absorvem a poluição e, quando secam, ficam com aspecto de sujos e pesados.
  • Ir a praias e piscinas sem aplicar um produto hidratante com filtro anti-cloro pode manchar os cabelos.
  • Ao colorir o cabelo sempre os hidrate depois, porque para receber a nova cor o fio se abriu e deve ser fechado para manter o brilho.

Saiba mais

Copyright © 2012 Bibliomed, Inc. 27 de fevereiro de 2012



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: