Publicidade

Artigos de saúde

Depressão pós-parto – o que é?

® Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- O que é a depressão pós-parto?
- Como ocorre esse tipo de depressão?
- Quais os sintomas da depressão pós-parto?
- Como é feito o diagnóstico?
- Como é feito o tratamento?
- O que fazer para me ajudar ou a quem eu amo?

O que é a depressão pós-parto?

Após o nascimento de seu filho, muitas mulheres sentem-se mais instáveis emocionalmente. Elas podem sentir-se tristes, preocupadas ou enraivecidas. Esse fenômeno é chamado de melancolia pós-parto, sendo leve e transitório (dura até uma semana).

A depressão pós-parto dura mais tempo e os sintomas são mais graves. Entre 10% e 20% das mulheres acabam desenvolvendo formas mais graves, principalmente as mães mais jovens.

Como ocorre esse tipo de depressão?

A depressão pós-parto pode ocorrer dentro de alguns dias ou semanas após o parto ou após a ocorrência de um aborto. Para 60% das mulheres, esse é o primeiro episódio depressivo de suas vidas. Enquanto as alterações hormonais características dessa fase parecem desempenhar um papel, a totalidade das causas desse fenômeno não é conhecida.

Os fatores de risco que aumentam a chance de desenvolvimento de depressão pós-parto são:

• História familiar de depressão, principalmente se essa ocorreu após a gestação;
• História de depressão após gestação prévia;
• História de depressão no passado, em qualquer época da vida;
• Vivência de relacionamento difícil ou muito estressante;
• Dar à luz um filho com problema de saúde ou que chore frequentemente;
• Ocorrência de aborto ou nascimento de bebê morto.
• Gravidez não-desejada.

Quais os sintomas da depressão pós-parto?

Além da sensação de tristeza e do desinteresse pelas atividades normais do dia-a-dia, os seguintes sintomas caracterizam esse tipo de depressão:

• Sensação de incapacidade ou falta de vontade de cuidar do filho;
• Ter pensamentos freqüentes sobre coisas ruins que podem acontecer com a criança, ou sensação de que vai machucar o filho;
• Irritabilidade;
• Apresentar problemas com o sono: em excesso ou insônia;
• Sensação de cansaço extremo relacionado a atividades diárias, como tomar banho e lavar a louça;
• Redução ou aumento excessivo do apetite;
• Sentir-se cansada e sem energia;
• Redução do desejo sexual;
• Sentir-se sem valor;
• Sensação de culpa;
• Problemas de concentração e de memória;
• Sentir-se desolada ou simplesmente não se preocupar com nada;
• Dor inexplicada nas costas ou no abdome, dores de cabeça;
• Sensação de que nunca vai melhorar.

Algumas pacientes ficam bastante ansiosas, apresentam alucinações ou ilusões. Se a pessoa desenvolve alucinações (escuta vozes ou sons, ou vê coisas que não existem) ou ilusões (interpretação errônea da realidade), o transtorno é chamado de psicose pós-parto.

Como é feito o diagnóstico?

O médico assistente ou um profissional de saúde mental pode definir se os sintomas são devidos a um quadro de depressão pós-parto. Pode ser necessária a realização de alguns exames, para avaliar a presença de desequilíbrios hormonais. No entanto, não existem exames capazes de diagnosticar a depressão pós-parto.

Como é feito o tratamento?

Não se deve tentar vencer a depressão pós-parto sozinha, um profissional capacitado pode ajudar. Ela pode ser tratada com sucesso com o emprego de medicamentos, psicoterapia ou ambos.

1) Medicamentos

Vários medicamentos podem ser usados no tratamento da depressão pós-parto. É importante conversar com o médico, para que seja escolhido um medicamento que não afete o aleitamento materno. Esses medicamentos devem ser tomados por um período de três a seis semanas, para que se obtenha benefício total dos mesmos.

2) Psicoterapia

A consulta com um profissional especializado em saúde mental é bastante útil, na abordagem da depressão pós-parto. A terapia pode durar um curto período de tempo ou por vários meses. A terapia cognitivo-comportamental permite à paciente identificar e mudar processos mentais que levam à depressão. A troca dos pensamentos negativos por pensamentos positivos, pode ajudar a melhorar o quadro depressivo.

3) Tratamentos Alternativos e Naturais

Vários produtos naturais foram sugeridos para o tratamento da depressão pós-parto, porém apenas a erva de São João demonstrou benefício, nos estudos já realizados. Deve ser discutido com seu médico a possibilidade de uso dessa medicação, caso você esteja amamentando.

Vários tratamentos alternativos podem ajudar no tratamento da depressão:

• Biofeedback: com essa técnica a pessoa aprende a controlar as funções corporais, como a tensão muscular e as ondas cerebrais. Ajuda no controle da ansiedade, da tensão e na melhora da capacidade de concentração. Deve ser empregada apenas em associação à psicoterapia e aos medicamentos.
• Massagem: ajuda a reduzir o estresse, mas não cura a depressão.
• Técnicas de relaxamento: incluem yoga e meditação. Ajudam a controlar os sintomas depressivos.
• Musicoterapia: pode ser útil para algumas mulheres.

O que fazer para me ajudar ou a quem eu amo?

A manutenção de um estilo de vida saudável é crucial. Tenha uma vida ativa física e socialmente, especialmente com seu parceiro, pois isso é muito importante. Manter um bom padrão de sono e de alimentação é bastante útil. Adquira o hábito de ter alguns momentos curtos de sono durante o dia, já que você terá que passar boa parte da noite acordada cuidando do bebê; isso ajuda a manter seu nível de energia adequado.

Certas dicas para ajudar na prevenção da depressão pós-parto:

• Pratique atividade física adequada para sua condição, antes e após o parto;
• Participe de atividades em companhia de seu parceiro e do bebê;
• Converse com familiares e amigos;
• Peça ajuda se sentir algo;
• Evite consumir álcool e cafeína;
• Tenha uma alimentação saudável;
• Mantenha um bom padrão de sono;
• Empregue técnicas de relaxamento, para reduzir o estresse.

Copyright © 2011 Bibliomed,                                             Inc. 20 de junho de 2011



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: