Publicidade

Artigos de saúde

Conhecendo a Tuberculose: Segunda Parte

Dr. Joel Marinho de Mattos Filho*
joelmarinho@uol.com.br

Como é que se descobre que uma pessoa está com Tuberculose?

A pessoa doente começa a apresentar sintomas que são os seguintes: emagrecimento, canseira, febre baixa no final do dia, suadeira de noite e tosse com expectoração. A história da doença já deve deixar o médico desconfiado de que pode ser um caso de tuberculose. O exame físico não mostra muita coisa: a pessoa pode estar com febre no momento do exame (37 a 37.5°C), podem existir gânglios no pescoço e a ausculta do pulmão pode revelar alterações discretas.

Três exames são suficientes para esclarecer as suspeitas:

- O PPD, que é um Derivado Purificado da Proteína do bacilo da tuberculose. Quando injetado na pele, provoca uma reação no local, demonstrando que o organismo reconhece aquele líquido injetado como se fosse o próprio bacilo agressor. A reação forte ao PPD mostra que o organismo já conhece o bacilo da tuberculose.

- O RX do tórax (chapa do pulmão), mostra o estado da doença. O RX, quando disponível, é um exame simples, relativamente barato e que dá muitas informações. Devemos lembrar que nem sempre existe um aparelho de RX disponível. Em algumas regiões do Brasil, como o interior do Amazonas, por exemplo, não se pode contar com a eletricidade sequer para acender uma lâmpada, quanto mais para fazer funcionar um aparelho de RX.

- O exame do escarro, é o mais importante dos exames disponíveis, pois permite encontrar rapidamente o bacilo de Koch. O exame do escarro pode ser feito em qualquer lugar do Brasil pelo método direto ou, em laboratórios especializados, pela cultura - nos casos em que, apesar das fortes suspeitas, os exames diretos não conseguiram mostrar a presença do bacilo. A cultura do escarro pode demorar até 90 dias para dar um resultado.

Importante Lembrar que:

Apesar dos medos, o problema não é o doente que a gente conhece. A grande questão é o doente que a gente não conhece.

Enquanto a pessoa não sabe que está doente, ela põe em risco todos os de sua convivência. A tuberculose pode evoluir durante 3 a 4 meses sem que a pessoa perceba que está doente. É muito importante estar sempre atento à própria saúde.

Embora o dia do diagnóstico possa parecer o início de um problema, na verdade, é o dia em que começa a solução. A partir do diagnóstico, o tratamento - que é a grande solução - começa a ser encaminhado, começando assim o fim do problema. Com o início do tratamento os riscos de contágio diminuem, acentuadamente, em trinta a quarenta e cinco dias.

Sobre o Tratamento:

Desde 1944 se conhecem os medicamentos capazes de curar a tuberculose. Antes disso a cura dependia do quanto se pudesse melhorar a resistência da pessoa, com o repouso, a alimentação e o clima frio e seco. Melhorando-se as condições físicas da pessoa, conseguia-se que o próprio organismo vencesse a doença. Evidentemente, muitos doentes não conseguiam resistir e morriam de tuberculose.

Com o aparecimento dos medicamentos apropriados a tuberculose passou a ser uma doença curável. Os primeiro tratamentos eram feitos durante 2 anos, com os pacientes internados. As coisas foram evoluindo, melhorando, e hoje o paciente de tuberculose pode ser tratado - e curado - em seis meses, sem que seja necessário ficar hospitalizado.

Em alguns casos, ainda se internam pacientes de tuberculose para tratamento. Isso acontece quando, junto com a tuberculose, existe alguma outra doença séria como a diabete ou o alcoolismo, por exemplo.

Estabelecido o diagnóstico, o paciente deverá começar o tratamento. Os medicamentos são tomados no período da manhã, todos os dias, durante o tempo estipulado pelo médico e são suficientes para curar a tuberculose.

Todos os remédios usados no tratamento da tuberculose são encontrados nos Postos de Saúde e são gratuitos. Isso significa, que não há nenhum motivo válido para deixar de tratar corretamente a tuberculose.

Uma dificuldade observada no dia a dia dos Ambulatórios de Tuberculose é a grande melhora que o paciente apresenta logo no primeiro mês do tratamento. Se, por um lado isso é bom, por outro pode se transformar num problema quando o paciente resolve parar com o tratamento por estar se sentindo bem. Como a duração do tratamento é de 6 meses, é costume dos Serviços ir visitar o paciente que abandona o tratamento, para lembrar que ainda falta algum tempo para o dia da alta.

O atendimento dos Serviços de Saúde é padronizado no mundo todo. Isto significa dizer que um tratamento iniciado no Brasil pode ser continuado, até a cura, em qualquer outro país. Os medicamentos também são os mesmo e encontram-se disponíveis em todos os países.

Ultimamente, os jornais têm noticiado "o aparecimento de um novo bacilo da tuberculose", associado à AIDS. É o "bacilo MDR', bacilo Multi-Droga Resistente. Trata-se do mesmo bacilo de Koch que desenvolveu resistência às drogas. A resistência aparece pelo uso incorreto da medicação, que perde a capacidade de eliminar o bacilo. Por isso, é importante o uso correto dos remédios disponíveis. A tuberculose causada pelo bacilo MDR é grave porque ainda não existem medicamentos capazes de curá-la.

E as pessoas da Família?

O bacilo da tuberculose se transmite pelo ar e não resiste muito tempo à luz do sol, morrendo em menos de 5 minutos. Por isso o contágio na tuberculose é mais frequente entre as pessoas que moram na mesma casa, parentes ou não, no período da noite, por dois motivos: durante a noite não temos a luz do sol e, a ventilação das casas diminui muito pelo costume - às vezes, necessidade - de fechar todas as portas e janelas, impedindo uma boa ventilação da casa.

Ao mesmo tempo que a pessoa doente começa seu tratamento, o Serviço de Saúde vai examinar as pessoas que moram na mesma casa, para saber se alguém também adoeceu de tuberculose. O exame mais útil é o RX do Tórax - para adultos e crianças e o PPD, indicado para as crianças.

Geralmente não se pede o PPD para investigação de contatos em adultos. Isso porque, além de os adultos terem mais resistência, provavelmente, já se infectaram em algum momento de sua vida, sem que o contágio tenha sido, necessariamente, daquela pessoa da sua família que adoeceu.

Se o PPD for não reator, significa que a crianças não foi infectada pelo bacilo. A criança deverá ser protegida com outra dose de BCG, que é a vacina que protege contra a tuberculose.

Se o PPD mostrar uma reação forte, significa que a criança foi infectada pelo bacilo e a proteção, nesse caso, deverá ser feita com um medicamento, durante 6 meses. Este procedimento é chamado de quimioprofilaxia - prevenção com medicamento.

Se o RX do tórax mostrar alguma alteração, em crianças ou adultos, todos deverão ser investigados. O exame do escarro é muito difícil de ser feito em crianças, porque não é comum que uma criança consiga cuspir a expectoração para exame.

"O contato não obriga ao contágio, portanto, não há necessidade de pânico".

Cuidados Gerais

A primeira providência a ser tomada é o encaminhamento das pessoas que moram na mesma casa que o doente, ou que convivam diariamente com ele, ao Serviço de Saúde onde todos serão investigados.

A casa e os locais freqüentados pelo paciente devem ser bem ventilados e receber boa iluminação da luz do sol.

O doente deve evitar tossir sobre as outras pessoas e evitar brincar com crianças durante os 3 primeiros meses do tratamento. Se for possível, é bom conseguir um lugar isolado para o doente dormir. Quanto mais ventilada a casa, melhor.

Separar louças e talheres não chega a ser um procedimento útil, já que o bacilo da tuberculose só se transmite pelo ar, através da tosse.

Trabalhar não faz nenhum mal para quem está em tratamento de tuberculose. O repouso é muito importante no primeiro mês do tratamento. A partir do terceiro mês, a pessoa em tratamento já deverá estar em condições de voltar ao trabalho. O médico é quem vai liberar a pessoa para o trabalho, desde que continue tomando a medicação até receber alta curada.

Algumas vezes a pessoa doente poderá precisar de uma licença médica remunerada, para tratamento de saúde. Nesse caso a pessoa deverá ser encaminhada ao Setor de Perícias Médicas da Seguridade Social.

A alimentação deve ser a mesma que a pessoa está habituada. É muito comum que as famílias queiram que o doente coma bastante. Mas, devemos lembrar que a tuberculose tira mesmo o apetite. Na medida em que o tratamento for eliminando os bacilos, o organismo se recupera e o apetite começa a voltar ao normal. Um dos remédios, a isoniazida, além de curar a doença, costuma melhorar o apetite. Um dos remédios, a isoniazida, costuma estimular o apetite.

Alimentar-se bem não significa, necessariamente, gastar muito dinheiro em comida, nem comer até ficar se sentindo mal. A alimentação nutritiva a base de legumes, verduras, frutas, cereais, ovos, leite e - se possível - carne em quantidades adequadas, pode ser feita com pouca despesa e muita criatividade.

A pessoa em tratamento de tuberculose pode, e deve, levar uma vida normal. Pode trabalhar, passear, namorar e tudo o que tiver direito como todo mundo. Só não pode deixar de tomar os remédios e, nesse ponto, a "fiscalização" da família é excelente.

É muito importante prevenir as "cicatrizes emocionais" que possam ficar no comportamento da pessoa doente, seus familiares e amigos. Depois de completado o tratamento a pessoa recebe ALTA CURADA. O que significa curada mesmo. Não faz o menor sentido curar o pulmão e continuar doente no pensamento...

* médico pneumologista
Responsável pelo Serviço de Pneumologia Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde de Poços de Caldas MG - no período de 1978 a 2004.

Clique Aqui Para Ler a Terceira Parte

Copyright © 2008 Bibliomed, Inc. revisado em 03 de outubro de 2008.



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: