Notícias de saúde

COVID-19 piorou as desigualdades nas Américas, diz Anistia Internacional

09 de junho de 2021 (Bibliomed). O COVID-19 aumentou a desigualdade social e econômica em países da América, incluindo os Estados Unidos. É o que mostra relatório anual sobre a situação dos direitos humanos da Anistia Internacional. A análise de 400 páginas diz que as Américas do Norte, do Sul e Central foram as mais afetadas pela crise, com cerca de 55 milhões de casos e 1,3 milhão de mortes até o momento.

Segundo o relatório, Estados Unidos, Brasil e México têm o maior número de mortes do mundo, em parte porque seus governos, relutaram para fornecer orientações de saúde consistentes, falharam em proteger as populações mais vulneráveis ??ou em fornecer transparência total.

O relatório observa que o COVID-19 exacerbou a "desigualdade sistêmica, repressão generalizada e políticas destrutivas" que contribuíram para que as Américas se tornassem a região mais afetada.

Especificamente, o estudo mostra que mulheres, refugiados, migrantes, trabalhadores de saúde desprotegidos, indígenas e negros e outros grupos sofreram o impacto da pandemia. Alguns líderes, diz o relatório, exploraram ativamente a crise para intensificar seus ataques aos direitos humanos.

As Américas começaram 2020 como a região mais desigual do mundo, e a pandemia apenas piorou as condições - com mais 22 milhões de pessoas caindo na pobreza e 8 milhões na pobreza extrema. A COVID-19 atingiu duramente a economia da região, enquanto as medidas governamentais “frequentemente minaram os direitos sociais, econômicos e culturais das pessoas em situação de precariedade”, afirma o documento.

O relatório disse que as restrições relacionadas à pandemia afetaram a liberdade de expressão em países onde ela está sob ameaça, incluindo México, Bolívia, Brasil, Cuba, Uruguai e Venezuela. O México, na verdade, foi o país mais mortal do mundo para jornalistas em 2020. Mais de 3.000 brasileiros (79% deles negros) foram mortos pela polícia entre janeiro e junho de 2020.

A violência contra mulheres e meninas nas Américas aumentou desde o início do surto, com medidas de bloqueio levando a um aumento acentuado da violência doméstica, estupro e homicídio, com medidas inadequadas para proteger mulheres e meninas eram inadequadas.

“Durante o ano passado, testemunhamos certos líderes nas Américas responderem à pandemia com uma mistura de negação, oportunismo e desprezo pelos direitos humanos”, disse a diretora da Anistia Internacional para as Américas, Erika Guevara-Rosas, em um comunicado. “Não podemos continuar no caminho da ruína, repetindo os erros que deixaram a região assolada pela desigualdade, discriminação e destruição, mesmo antes do COVID-19 atacar”, completou.

O relatório completo “Amnesty International Report 2020/21. The state of the world's human rights” pode ser acessado (em inglês) clicando aqui.

Fonte: Amnesty International Report 2020/21. The state of the world's human rights.

Copyright © 2021 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2021 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários