Notícias de saúde

Grande parte das primeiras postagens sobre COVID-19 eram teorias da conspiração

24 de agosto de 2020 (Bibliomed). Quase 82% das informações do COVID-19 postadas em sites de notícias, organizações globais de saúde e plataformas de mídia social entre o final de dezembro e o início de abril eram rumores ou teorias da conspiração, revelou um estudo publicado pelo American Journal of Tropical Medicine and Hygiene.

A desinformação e os esforços para estigmatizar as vítimas do novo coronavírus, que os pesquisadores descreveram como um "infodêmico", foram coletivamente associados a centenas de mortes em todo o mundo, disse a análise.

A Organização Mundial da Saúde cunhou o termo "infodemias" para se referir ao que chama de "uma superabundância de informações - algumas precisas e outras não - que torna difícil para as pessoas encontrarem fontes confiáveis".

Para o estudo, os pesquisadores revisaram as informações do COVID-19 publicadas ou postadas em sites de verificação de fatos; mídia social, incluindo Facebook e Twitter; e sites de redes de televisão e jornais. Eles também revisaram os sites dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças da OMS e dos EUA.

Os pesquisadores então categorizaram as informações como rumores, estigma ou teorias da conspiração. Eles definiram rumores "como informações não verificadas" que poderiam ser consideradas "verdadeiras, fabricadas ou totalmente falsas após a verificação". As teorias da conspiração foram descritas como "crenças explicativas sobre um indivíduo ou grupo de pessoas trabalhando em segredo para atingir objetivos maliciosos". E o estigma como um "processo socialmente construído por meio do qual uma pessoa ... pode experimentar discriminação e desvalorização".

Do final de dezembro de 2019 até o início de abril, os pesquisadores identificaram 2.311 relatórios relacionados ao COVID-19, publicados em 25 idiomas, de 87 países. Dos 2.276 relatórios para os quais os pesquisadores obtiveram classificações de texto, 82% (1.856) "eram falsos". Dois mil e quarenta e nove (89%) relatórios foram classificados como rumores - que podem ter sido confirmados mais tarde como verdade - enquanto 182 (7,8%) eram teorias de conspiração, e 82 (3,5%) eram esforços para estigmatizar as vítimas do vírus, disseram os pesquisadores.

Um desses boatos - que consumir metanol, ou álcool altamente concentrado, poderia desinfetar o corpo e matar o novo coronavírus - se espalhou rapidamente pelas redes sociais. Desde então, está relacionado a mais de 800 mortes e quase 6.000 hospitalizações em vários países.

Da mesma forma, em março, relatórios na Índia sugeriram que as pessoas estavam com medo de ser testadas para COVID-19 por causa da preocupação de que seriam condenadas ao ostracismo por suas comunidades locais. Essa relutância provavelmente decorre, pelo menos em parte, dos esforços para estigmatizar, ou em alguns casos culpar, as vítimas do vírus por sua disseminação.

Os esforços para estigmatizar os profissionais de saúde que tratam de pacientes com COVID-19 e pessoas de "etnia asiática" como ameaças à saúde da comunidade foram associados a dezenas de ataques violentos em todo o mundo.

Geralmente, a desinformação do COVID-19 segue um padrão semelhante ao observado em outros surtos, incluindo HIV e Ebola, sugerindo que "durante as crises de saúde pública, as pessoas frequentemente se concentram mais em boatos e boatos do que na ciência", observaram os pesquisadores.

De acordo com os pesquisadores, é fundamental que os governos e as agências internacionais monitorem as mídias a fim de identificar informações incorretas em tempo real e corrigir essas informações com evidências científicas. Eles ressaltam que as mídias sociais são as principais plataformas onde a desinformação de espalha, e, por isso, os legisladores deveriam usa-las para divulgar informações corretas.

Fonte: American Journal of Tropical Medicine and Hygiene. DOI: 10.4269/ajtmh.20-0812.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários