Notícias de saúde

Níveis altos de açúcar no sangue aumenta risco de morte por COVID-19

30 de julho de 2020 (Bibliomed). Corpos estressados ??por COVID-19 grave podem produzir níveis anormalmente altos de açúcar no sangue, mesmo em pessoas sem diabetes diagnosticada. E isso parece vinculado à duplicação das chances de morte do COVID-19, relatam pesquisadores do Union Hospital e Tongji Medical College, na China. Níveis altos de açúcar no sangue (glicose), medidos no momento da admissão no hospital, também estavam ligados a doenças e complicações mais graves.

Como os pesquisadores explicaram, há muito se sabe que o diabetes aumenta consideravelmente as chances de COVID-19 grave e até fatal em pessoas infectadas com o novo coronavírus. Mas é o efeito dos níveis elevados de açúcar no sangue, mesmo em pessoas que não têm diagnóstico de diabetes?

Para descobrir, os pesquisadores analisaram os registros médicos de mais de 600 pacientes consecutivos atendidos em dois hospitais de Wuhan por quase um mês em janeiro e fevereiro. Os pacientes tinham em média 59 anos de idade.

Os pesquisadores focaram especialmente as leituras de açúcar no sangue de cada paciente, a gravidade de sua pneumonia associada ao COVID-19 e os resultados dos pacientes em termos de gravidade e morte da doença. Nenhum paciente foi diagnosticado com diabetes.

Um total de 114 pacientes morreu no hospital devido à doença. Homens eram 75% mais propensos a morrer do que mulheres. Um alto nível de glicose no sangue em jejum foi considerado altamente preditivo de morte, independentemente de o paciente ter pneumonia ligada ao COVID-19, que é mais ou menos grave, sugerindo que o efeito do alto nível de açúcar no sangue no risco de morte é independente da gravidade da doença respiratória do paciente.

Do grupo total de pacientes, cerca de um terço (29%) caiu em uma categoria de glicose no sangue em jejum muito alta, tão alta que, se consistente ao longo do tempo, esses pacientes seriam diagnosticados com diabetes tipo 2. Outros 17% tinham níveis semelhantes às pessoas em "pré-diabetes".

Os pacientes na categoria de níveis de açúcar no sangue muito altos tinham 2,3 vezes mais chances de morrer de COVID-19 do que aqueles com as leituras mais baixas de açúcar no sangue, e mesmo aqueles com leituras sugestivas de pré-diabetes tinham um risco 71% maior de morte.

As chances de complicações perigosas do COVID-19 também foram quatro vezes maiores em pessoas na categoria com alto nível de açúcar no sangue e 2,6 vezes maiores naquelas com nível pré-diabetes de açúcar no sangue.

Segundo os autores, a hiperglicemia por estresse pode de fato ter afetado muitos dos pacientes de Wuhan, já que 29% dos pacientes que chegaram ao grupo com maior nível de açúcar no sangue é muito maior do que a prevalência estimada de diabetes na população chinesa em 12%.

Com base nas descobertas, os autores do estudo recomendaram que o rastreamento dos níveis de açúcar no sangue fosse adicionado à lista de testes que os médicos usam para monitorar os riscos de pacientes que lutam contra o COVID-19.

Fonte: Diabetologia. DOI: 10.1007/s00125-020-05209-1.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários