Notícias de saúde

Experiências de sexo on-line de meninas adolescentes configuram perigos off-line

08 de maio de 2019 (Bibliomed). As experiências sexuais on-line dos adolescentes (por exemplo, uso de pornografia, bate-papo sexual, uso de mídia social sexualizada e troca de imagens nuas ou sexting) fornecem um novo contexto para a socialização sexual. A falta de pesquisas longitudinais nesta área não conseguiu determinar se essas experiências predizem resultados tardios de saúde sexual e violência.

Uma análise de duas ondas de pesquisas realizadas por adolescentes do sexo feminino etnicamente e socioeconomicamente diversas (N=296; 49% maltratadas; com idades entre 14 e 16 anos), participando de um estudo cruzado maior, foi conduzida para abordar essas lacunas.

As descobertas, publicadas no Journal of Youth and Adolescence e financiadas pelo National Institutes of Health, são parte de um estudo que é o primeiro do tipo a investigar experiências sexuais online usando uma abordagem centrada na pessoa, que identifica padrões específicos de comportamento em subgrupos de pessoas, em vez de observações gerais em um grande grupo. Essa abordagem permitiu que os pesquisadores acompanhassem as experiências on-line das meninas - e as experiências off-line subsequentes - de forma mais intrincada do que os estudos anteriores. As garotas auto-relataram suas experiências sexuais online e offline durante cinco anos. Além disso, as meninas visitavam um laboratório a cada ano para uma entrevista de trauma para medir experiências como abuso sexual, agressão ou violência, que poderiam passar despercebidas em uma pesquisa.

Ao avaliar as experiências sexuais online dos adolescentes usando a abordagem centrada na pessoa, conseguiu-se agrupar os adolescentes em quatro classes de padrões de experiência, que previram resultados de vitimização e saúde sexual um ano depois.

As quatro classes foram:

- Inclusivos On-line: Esses adolescentes têm uma alta probabilidade de ter várias experiências sexuais on-line, incluindo assistir a pornografia na internet, conversar com estranhos sobre sexo, enviar fotos nuas e posar provocativamente nas redes sociais. Muitas vezes, este grupo observam estranhos postando comentários sensuais em suas contas de mídia social, solicitando fotos nuas e solicitando-as por sexo.

- Buscadores: Essas adolescentes buscam pornografia na Internet, conversam com outras pessoas sobre sexo e postam fotos sensuais nas redes sociais, mas propositalmente não têm uma foto de perfil sexy e não recebem muita atenção online de outras pessoas.

- Atratores: esse grupo de adolescentes chama a atenção de outras pessoas on-line, embora elas não estejam explicitamente procurando por elas. Elas tinham um perfil de mídia social sexy, tinham contato com pessoas que pediam fotos de nudez, recebiam comentários sobre o quão sexy elas eram e pediam a estranhos que os solicitassem para sexo off-line.

- Abstinente on-line: esse grupo tinha pouca probabilidade de ter experiências sexuais on-line.

A associação à classe previa de forma única o risco de contrair HIV, o número de parceiros românticos, aqueles fisicamente violentos e a ocorrência de agressão sexual. Embora a participação em aulas on-line sobre a experiência sexual previsse risco tardio e vitimização, isso era especialmente verdadeiro para as participantes maltratadas. Essas descobertas demonstram as vantagens de examinar as experiências sexuais on-line de uma maneira que enfatiza sua complexidade e as diferenças individuais na suscetibilidade influente.

Fonte: Journal of Youth and Adolescence.

Copyright © 2019 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários