Publicidade

Notícias de saúde

Pesquisa Revela o Que Há Por Trás das Emoções

NOVA YORK (Reuters Health) - Pesquisadores dos Estados Unidos descobriram um pouco mais sobre o que acontece no cérebro quando temos emoções, ajudando a dar base científica para a mais subjetiva das experiências.

Em uma série de experimentos que monitoraram o cérebro enquanto as pessoas tiveram uma variedade de emoções, os cientistas verificaram que a atividade cerebral se altera conforme a emoção que estava sendo expressa, segundo artigo publicado na edição de outubro da revista Nature Neuroscience.

O estudo também mostrou que várias estruturas cerebrais responsáveis pela manutenção do equilíbrio dos sistemas orgânicos parecem estar envolvidas numa vasta gama de emoções.

No estudo, pediu-se que 41 participantes pensassem sobre uma experiência que os fez sentir uma emoção como tristeza, alegria, raiva ou medo. Quando cada pessoa relembrou a emoção, os pesquisadores realizaram um exame por imagem para monitorar a atividade cerebral.

Muitas estruturas do cérebro envolvidas na homeostase -- processo em que o corpo regula sua temperatura, pressão sanguínea e outros sistemas internos -- eram ativadas pelas quatro emoções, segundo a equipe de Antonio R. Damasio, da Faculdade de Medicina da Universidade de Iowa, na cidade de Iowa.

"No mínimo, esses resultados sublinham a conexão anatômica e psicológica existente entre emoção e homeostase", escreveram os autores.

Os pesquisadores verificaram que a atividade cerebral varia de acordo com a emoção sentida. Por exemplo, numa situação de alegria, há aumento de atividade em duas regiões do cérebro -- a região cingular posterior direita e o córtex somatosensório secundário direito, enquanto na tristeza a atividade diminui nessas regiões.

As descobertas sugerem que, a despeito da natureza subjetiva das emoções, as mudanças na atividade do cérebro são de alguma forma responsáveis pela maneira como sentimos, explicam os cientistas.

Para os pesquisadores, estudar a fisiologia das emoções é difícil, pois é impossível estudar sentimentos em animais. O atual estudo é o "primeiro passo" para entender a neurobiologia por trás dos nossos sentimentos, concluiu a equipe.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: