Publicidade

Notícias de saúde

Norma sobre o conteúdo de proteínas nos alimentos beneficia pessoas com fenilcetonúria

25 de junho de 2010 (Bibliomed).  A partir de agosto, pessoas com fenilcetonúria - doença genética cujo tratamento restringe a ingestão de um aminoácido chamado fenilalanina -, terão uma nova ferramenta para melhorar sua alimentação e a adesão ao tratamento, evitando complicações como atraso no crescimento, convulsões e hiperatividade. Uma norma publicada em abril pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determina que os sites e serviços de atendimento ao consumidor (SAC) das empresas produtoras de alimentos devem informar a quantidade do aminoácido presente nos produtos. E as informações serão reunidas no site da Anvisa.

“Essas informações serão essenciais para os nutricionistas elaborarem, com segurança, a dieta dos quase 1,5 mil brasileiros fenilcetonúricos”, afirma Maria Cecília Brito, diretora da Anvisa. Para a nutricionista Michelle Andrade, do Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (Nupad) - órgão da Faculdade de Medicina da UFMG que faz o diagnóstico e acompanhamento dos fenilcetonúricos em Minas -, a medida permitirá que essas pessoas tenham mais confiança no conteúdo de proteína e fenilalanina dos alimentos. “Atualmente, restringimos muito o uso de produtos industrializados justamente por não podermos confiar na quantidade de proteína que está descrita nos rótulos. A medida pode permitir que essas pessoas diversifiquem mais o cardápio e fazer com que a adesão ao tratamento fique mais adequada”.

Mãe de uma criança de três anos com fenilcetonúria, Danielle Ayoub destaca que a medida vai facilitar a vida das mães que, como ela, têm poucas opções na hora de alimentar o filho. “Temos muitas dificuldades, pois a dieta é bem restrita - meu filho come, basicamente, legumes, verduras, frutas, arroz e receitas preparadas com a farinha especial. Quando compro algo industrializado, fico insegura de dar para meu filho e prefiro esperar a consulta com a nutricionista para tirar essas dúvidas”, destacou. “A nova medida vai ajudar bastante, pois, com as informações sobre a fenilalanina, teremos condições de avaliar o que a criança pode comer e em que quantidade”, concluiu Danielle Ayoub.

Fonte: Assessoria de Comunicação Nupad. Press release. 17 de junho de 2010.

Copyright © 2010 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: