Publicidade

Notícias de saúde

Estudo aponta que perda dentária entre brasileiros que vivem em regiões isoladas é maior

07 de outubro de 2009 (Bibliomed). Pesquisadores de brasileiros da Universidade de São Paulo e da Dinamarca avaliaram a prevalência, importância e os indicadores de risco para a perda dentária em uma população brasileira isolada. A pesquisa foi publicada na revista Acta Odontologica Scandinavica em seu número de setembro de 2009.

Foram identificados em uma população isolada através do censo 242 indivíduos, com idades entre 14 e 82 anos. Aqueles que concordaram em participar foram submetidos a um exame clínico completo da boca (índice de DTF e informação sobre ausência de dentes) e exame periodontal de seis locais por dente. Foram ainda colhidas informações demográficas, ambientais e sobre variáveis biológicas através de questionário escrito.

Dos 200 indivíduos (índice de resposta de 80%), 19 eram edentados, 90% haviam perdido ao menos 1 dente, e 39% haviam perdido mais de 8 dentes. O número médio de perda dentária foi 9,5, sendo o dente mais comumente perdido o primeiro molar mandibular. Após análise de regressão, observou-se que ter perdido mais de 8 dentes se associou com a idade adulta (OR 18,3) e sexo feminino (OR 5,9) no modelo final.

Portanto, concluiu-se que a perda dentária foi altamente prevalente e extensa nesta população isolada, com grande importância para os fatores demográficos e comportamentais na prevalência de perda dentária nesta população.

Fonte: Acta Odontologica Scandinavica. Volume 67, Issue 5, September 2009. Pages 297 - 303

Copyright © 2009 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: