Publicidade

Notícias de saúde

Quase um quinto dos pacientes se arrependem da vasectomia, alertam especialistas

04 de agosto de 2009 (Bibliomed). Dados divulgados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) revelam que 17% dos homens submetidos à vasectomia – procedimento cirúrgico usado para que o homem não tenha mais filhos – se arrependem da cirurgia ao longo da vida. O método consiste na interrupção da circulação dos espermatozóides, sendo método de contracepção seguro e que não causa distúrbios de ereção.

Preocupado com o fato de que muitos se arrependem da cirurgia, o CFM acaba de baixar uma resolução com normas técnicas para a cirurgia, visando desencorajar a esterilização precoce. "Um alerta aos homens jovens, especialmente na faixa de 18 a 24 anos: a vasectomia não pode se tornar uma cirurgia corriqueira", destacaram os especialistas, em nota para a imprensa.

A posição do Conselho é de que o médico que se propuser a realizar a cirurgia terá de estar habilitado também para reverter o processo, pois o paciente pode se arrepender posteriormente. Segundo o médico Edvard Araújo, coordenador da Comissão do Médico Jovem do CFM, "o percentual de insucessos é grande quando um homem pretende refazer sua capacidade de ser pai, por isso a vasectomia não pode se transformar em procedimento massificado".

O especialista destaca que o ato médico de esterilização cirúrgica masculina não é apenas um procedimento de esterilização, mas um ato mais complexo que exige cuidados não previstos em lei. Daí a preocupação de que o médico que realizou a vasectomia precisa estar apto também a outros tipos de intercorrências e à reversão do procedimento.

Para assegurar mais segurança aos pacientes, o órgão estabeleceu o prazo de 60 dias entre a vontade manifestada e a realização da cirurgia, para que o homem possa amadurecer sua decisão. Esse prazo é considerado importante para a conscientização dos homens a respeito de vários métodos de contracepção.

O Conselho ressalta, ainda, que antes de se submeter à vasectomia o paciente deve buscar informações completas sobre o procedimento e procurar um médico devidamente habilitado, considerando todas as repercussões da esterilização e as suas consequências.

Fonte: Paz Comunicação/ Conselho Federal de Medicina. Press release. 30 de julho de 2009.

Copyright © 2009 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: