Publicidade

Notícias de saúde

Ministério da Saúde distribui gratuitamente remédio contra leucemia

Belo Horizonte, 09 de Outubro de 2001 (Bibliomed). Os pacientes com Leucemia Mielóide Crônica (LMC) ganham um novo aliado contra a doença nos próximos meses. O Ministério da Saúde vai fornecer gratuitamente o medicamento Glivec a todos os pacientes que tenham indicação médica para usar a nova droga.

O Glivec, produzido pelo laboratório Novartis, é um remédio que teve o uso aprovado recentemente em outros países. Ele atua diretamente na destruição das células cancerosas e é apontado como uma promessa no tratamento e na cura da leucemia.

Entretanto, os pacientes brasileiros só tinham acesso à droga se tivessem condições de realizar a importação por conta própria, pagando um valor de cerca de R$ 6 mil por mês.

Inicialmente, o Ministério da Saúde chegou a se recusar a assumir os gastos com a compra do medicamento, sem chegar a um acordo com o laboratório para a comercialização do produto no Brasil.

O Instituto Nacional do Câncer, ligado ao Ministério, afirmava que o impasse não estava relacionado com o preço do medicamento, mas com a falta de dados clínicos suficientes, que comprovassem a eficácia e a segurança da droga.

Há algumas semanas, no entanto, o acordo foi fechado. O Ministério conseguiu que o Novartis reduzisse o preço em 33%. O Glivec caiu de US$ 2.400 para US$ 1.620, por paciente/mês.

Atualmente, 1.558 pacientes com Leucemia Mielóide estão em tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Cerca de 380 deles têm a indicação para usar o Glivec: 294 estão na fase inicial da doença e 86, na fase avançada. Para distribuir o medicamento gratuitamente a esses pacientes, o Ministério vai gastar mais de US$ 8 milhões por ano. Pelo acordo, o Novartis vai doar o Glivec, até março de 2002, a 250 dos atuais 380 doentes. O acordo possibilitou uma economia de quase US$ 4 milhões/ano, além de US$ 1 milhão com a doação dos remédios.

Antes dessa definição entre o Novartis e o governo brasileiro, a Organização Não-Governamental (ONG) paulista Núcleo de Apoio ao Paciente com Câncer (Napacan) acionou a Justiça para garantir a distribuição do medicamento.

Segundo o Novartis, há estudos sendo realizados desde 1998, que apontam a possibilidade de cura de até 98% na fase crônica da doença. A empresa também garante que o resultado é animador em pacientes na fase terminal.

Copyright © 2001 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: