Publicidade

Notícias de saúde

Cólica menstrual atinge cerca de 50 por cento das mulheres jovens brasileiras

São Paulo, 17 de Maio de 2001 (eHealthLA). Dores intensas, irritação e até incapacidade para trabalhar. Estes são apenas alguns dos efeitos causados pela dismenorréia primária, ou melhor, cólica menstrual, problema que atinge cerca de 50 por cento das mulheres jovens em todo o país.

Deste percentual, 10 por cento sofrem de cólica intensa, ficando incapacitadas para o trabalho por um ou mais dias ao mês, acarretando a perda de milhões de horas de trabalho e prejuízos econômicos de bilhões de dólares ao ano em todo o mundo.

"Mesmo que a mulher mantenha sua atividade profissional, a produtividade fica bem reduzida", afirma o Dr. Nilson Roberto de Melo, Presidente da Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo e Presidente da Federação Latino-Americana de Climatério e Menopausa.

Terapia e novo medicamento

A terapia mais indicada para a disfunção inclui repouso, dieta leve, aplicação de bolsa de água quente no abdome, uso de analgésicos e medicamentos. Até hoje, os remédios mais utilizados para o tratamento da cólica menstrual eram, principalmente, antiinflamatórios.

No entanto, segundo o Dr. Nilson, o emprego de antiinflamatórios, pode acarretar alguns efeitos colaterais adversos que podem caracterizar-se por um simples enjôo até uma úlcera gástrica. “Por esse motivo, temos aconselhado administrar um medicamento que não cause efeitos colaterais ao aparelho digestivo”, diz o médico.

Neste sentido, a Merck Sharp & Dohme desenvolveu o medicamento Vioxx® (rofecoxib, MSD), inibidor específico da enzima responsável pelo desencadeamento da dor e da inflamação. Pertencente a uma nova classe terapêutica, a droga combate as dores agudas com eficácia equivalente à dos antiinflamatórios tradicionais, mas sem os mesmos efeitos colaterais.

"O rofecoxib (princípio ativo do medicamento) apresenta resultados excelentes no tratamento da cólica menstrual, representando o maior e mais recente avanço no arsenal do tratamento da dismenorréia", explica Dr. Nilson.

Em um estudo internacional sobre qualidade de vida, que envolveu 672 pacientes, aqueles tratados com Vioxx® relataram sentir mais energia, participação mais freqüente em atividades sociais, além de menos dificuldades no trabalho e no desempenho de outras atividades diárias, devido à melhora no estado geral de sua saúde física e mental.

O mecanismo da cólica

A cólica menstrual pode ter início nos primeiros anos após a menarca (primeira menstruação), portanto, acomete mais as mulheres jovens.

Em geral, não é causada por doenças ginecológicas e sim por substâncias chamadas prostaglandinas, produzidas pela camada interna do útero em quantidade maior do que o habitual durante a menstruação, as quais desencadeiam contrações uterinas muito fortes, semelhantes às do parto.

Doenças ginecológicas, tais como tumores uterinos ou ovarianos, infecções ginecológicas ou uso do dispositivo intra-uterino (DIU), também podem desencadear os sintomas.

Além dos problemas físicos, a cólica menstrual costuma estar associada a perturbações psicológicas, como a conhecida TPM (Tensão Pré-Menstrual).

Em muitos casos, são comuns problemas conjugais, familiares e profissionais. "O aparecimento de cólicas de intensidade leve é normal no início ou pouco antes da menstruação. Quando é intensa, precisa ser tratada", alerta o médico.

Copyright © 2001 eHealth Latin America

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: