Publicidade

Notícias de saúde

Competência e Auto-Estima São Fundamentais Para Felicidade

Por Charnicia E. Huggins

NOVA YORK (Reuters Health)
- Fama e fortuna podem ser atraentes, mas um novo estudo sugere que não bastam para preencher as necessidades psicológicas de uma pessoa. Por outro lado, competência e autonomia são essenciais na busca da felicidade.

"As pessoas não estão muito satisfeitas com dinheiro, luxo, popularidade e influência, mesmo quando conseguem isso", disse à Reuters Health o autor do estudo, Kennom M. Sheldon, da Universidade do Missouri, Columbia.

"O que realmente funciona é o envolvimento em atividades que elas mesmas escolham ou que tenham significado pessoal (autonomia), nas quais sejam razoavelmente eficientes ou hábeis (competência) e que lhes permita ter contato ou contribuir com outras pessoas (relacionamento)

Em dois estudos diferentes, a equipe de Sheldon tentou descobrir as bases da felicidade pedindo a grupos de estudantes que descrevessem o "evento pessoalmente mais satisfatório" da semana e do mês anterior.

Um dos estudos incluiu uma comparação entre um grupo de estudantes norte-americanos e um grupo de estudantes da Coréia do Sul.

Os resultados do estudo, publicados na edição de fevereiro do Journal of Personality and Social Psycology, mostraram que os estudantes identificaram a auto-estima, capacidade de relacionamento, autonomia e competência como os quatro elementos principais para experiências satisfatórias.

Os estudantes da Coréia do Sul ordenaram as qualidades de forma diferente, sendo mais propensos que os norte-americanos a colocar a capacidade de relacionamentos no topo da lista das necessidades psicológicas.

Certas necessidades podem ser "universais para seres humanos, mas a importância relativa que as pessoas atribuem a elas depende da extensão com que suas culturas estimulam e apoiam essas necessidades", explicou a equipe de Sheldon.

Em um terceiro estudo, a equipe de Sheldon pediu aos estudantes que identificassem o evento mais insatisfatório que tiveram durante um semestre. Um estudante relatou que "acabou um namoro de dois anos e oito meses".

Semelhante aos resultados dos dois primeiros estudos, os estudantes responderam com descrições de eventos que não se encaixaram às necessidades de auto-estima, capacidade de relacionamentos, autonomia e competência, indicou o artigo.

Nos três estudos, os estudantes avaliaram dinheiro ou luxo como pouco importantes para a satisfação pessoal -- ou a felicidade, observaram os autores.

"As pessoas sabem que o dinheiro e a fama não trazem felicidade", disse Sheldon. "É por isso que todos reconhecemos a verdade contida nessa frase, por isso parece fazer tanto sentido"

"Mas esquecemos de verificar o que é realmente importante para nós, o que é certo, o que é real (uma capacidade que todos temos)." Para ajudar os indivíduos a priorizar suas necessidades psicológicas, Sheldon ofereceu o seguinte conselho: "Dê um passo atrás e pergunte 'como estou me sentindo, o que estou fazendo é significativo para mim?"

"Se a resposta for 'não', faça mudanças", sugeriu o pesquisador.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2001 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: