Publicidade

Notícias de saúde

Estudo Usa Proteína Contra Envelhecimento Muscular em Ratos

Por Julia Hancock

ROMA (Reuters)
- Cientistas italianos anunciaram que podem ter descoberto uma forma de ajudar a retardar o processo de envelhecimento em experimentos com camundongos geneticamente modificados e que estão tentando aplicar suas descobertas para combater a distrofia muscular.

Cientistas da Universidade La Sapienza, em Roma, em conjunto com cientistas da Universidade da Pensilvânia e do Hospital Geral de Massachusetts, nos Estados Unidos, criaram camundongos geneticamente modificados com supermúsculos que são relativamente imunes à degeneração muscular que ocorre com o envelhecimento.

Os testes em Roma demonstraram que um camundongo com supermúsculos de 22 meses de idade, comparável a um homem de 80 anos, possui o mesmo tipo de musculatura de um animal de 6 meses de idade, equivalente a um humano de 40 anos.

Os camundongos foram geneticamente modificados para produzir uma proteína que promove o crescimento chamada fator de crescimento muscular semelhante à insulina 1 (mIgf1) somente em seus músculos voluntários -- aqueles que controlam o movimento consciente.

"A originalidade de nossa pesquisa foi expressar o fator de crescimento de uma forma seletiva de modo que afetasse somente os músculos voluntários, evitando portanto os efeitos colaterais no coração, rins ou outros tecidos", disse na quarta-feira Antonio Musaro, da Universidade La Sapienza, à Reuters.

De acordo com Musaro, agora o projeto vai analisar como sua pesquisa pode ajudar a combater a distrofia muscular, doença degenerativa dos músculos.

"O objetivo é usar esses modelos para desenvolver uma terapia que possa ser usada por idosos, para reduzir a degeneração muscular, e por pessoas doentes com problemas como distrofia muscular", acrescentou Musaro.

O pesquisador disse que o projeto também desenvolveu uma versão terapêutica do mIgf1 que pode ser diretamente injetada nos músculos envelhecidos de um camundongo de laboratório normal.

"Esperamos que a fase experimental dessa terapia dure cinco anos antes de darmos início aos ensaios (humanos)", afirmou Musaro, acrescentando que a terapia poderá estar disponível comercialmente em dez anos.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2001 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: