Publicidade

Notícias de saúde

Usuários de café estão sob mais baixo risco de doença de Parkinson

Nova Iorque, (Saúde de Reuters) - Um pensamento feliz para seu próximo café da manhã – uma nova pesquisa sugere que homens que bebem café ou outras bebidas com cafeína têm um risco muito mais baixo de desenvolver a doença de Parkinson.

E quanto mais café você beber diariamente, mais baixo o risco, de acordo com um artigo publicado na edição do The Journal of the American Medical Association. Os resultados mostram que, comparados aos que bebem café, os homens que nunca beberam café enfrentaram risco 3 a 6 vezes mais alto de desenvolver o mal de Parkinson, uma doença neurológica com sintomas como tremor, perda de expressão facial, e dificuldades para se equilibrar e andar.

"A coisa excitante sobre este estudo é que nós agora temos ainda mais evidências de que fatores ambientais alteram o risco de desenvolvimento da doença de Parkinson", observou o Dr. G. Webster Ross e colegas do Departamento de Veterans Affairs em Honolulu, Havaí.

O estudo observou o café e a ingestão de cafeína em 8.004 homens nipo-americanos ao longo de aproximadamente 30 anos e o risco destes desenvolverem a doença de Parkinson. Exatamente 100 homens contraíram a doença de Parkinson durante aquele intervalo, relatam os autores.

Os homens que bebem café foram menos propensos de contrair a doença de Parkinson. De fato, os pesquisadores notaram, que o risco de contrair a doença caiu progressivamente com o aumento do consumo de café de 4 doses diárias para mais de 24 doses diárias.

Encontraram a mesma relação independente da fonte de cafeína, indica o relatório. Aqueles que tomavam menos de 2.8 miligramas de cafeína por dia eram quase três vezes mais propensos a desenvolver Parkinson do que os que tomavam mais de 107 miligramas a partir de fontes que não o café.

Diferenças mensuráveis no risco de doença de Parkinson entre os que bebem café e os que não bebiam já foram evidentes em 10 anos no estudo, indicam os resultados. Foram analisadas outras substâncias encontradas no café, escrevem os investigadores, mas nenhuma associação foi encontrada entre o consumo destas e o risco de desenvolvimento Parkinson.

" Mesmo nosso estudo tendo encontrado uma correlação forte entre os que bebem café e baixas taxas da doença de Parkinson, nós não identificamos a causa exata deste efeito”, observou Ross .

Há várias teorias que podem explicar o benefício aparente de cafeína na prevenção da doença de Parkinson, de acordo com os investigadores. Pode ser que a cafeína seja a chave, e possa proteger o cérebro e sistema nervoso contra a doença ou pode ser que esta proteção seja devido a um fator inerente aos que bebem café. Estudos prévios mostraram que as pessoas com personalidades "excitadas e ativas " têm mais baixas taxas da doença e estas também podem ser coincidentemente aquelas que bebem mais café.

Ainda, é muito cedo recomendar o uso do café para prevenir a doença de Parkinson, eu gostaria de ver estes resultados usados como uma base para ajudar outros cientistas a desvendar os mecanismos que estão subjacentes ao início do mal de Parkinson, disse Ross.

FONTE: The Journal of the American Medical Association

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: