Publicidade

Notícias de saúde

Francês Divulga no Brasil Estudo para Vacina Anti-Aids

SÃO PAULO (Reuters) - O cientista francês Jean Claude Chermann, co-descobridor do HIV e idealizador de uma vacina contra Aids que pretende combater o vírus em todos os pacientes contaminados, está no Brasil para avaliar o interesse de centros nacionais de referência em Aids em participar do projeto de sua vacina.

A linha de pesquisa de Chermann para a vacina utiliza como antígeno uma parte específica do vírus, chamada de R7V, para ativar as defesas imunológicas do organismo, afetadas pelo vírus causador da Aids.

Na quinta-feira à noite, Chermann tinha agendada uma reunião com cerca de 100 especialistas brasileiros em Aids para relatar os resultados de seus estudos até agora e sondar o interesse de centros nacionais em fazer parte da próxima etapa do projeto de desenvolvimento da vacina.

"Em breve, serão iniciados os estudos pré-clínicos e clínicos da vacina", disse Chermann, diretor científico do Instituto Nacional de Pesquisa de Saúde e Médica (Inserm) da França, durante entrevista coletiva na quinta-feira, em São Paulo.

Nessa etapa, Chermann, em associação a outros centros mundiais, pretende descrever o mecanismo da vacina à comunidade científica e começar a testá-la em pacientes.

"Nossos estudos identificaram um anticorpo comum a portadores do HIV assintomáticos que era específico para este antígeno, o R7V", explicou o pesquisador francês.

"O R7V é um pedaço da proteína beta-2 microglobulina, que se incorpora na superfície do HIV quando ele deixa a célula humana", explicou o médico brasileiro, Ricardo de Oliveira, diretor da empresa Hemagen. Oliveira vem colaborando nos estudos de Chermann, sendo responsável pela identificação do R7V e pelo desenvolvimento de exames para identificar a presença do anticorpo.

"Num primeiro momento, serão realizados, em um centro médico, exames para identificar a presença do anticorpo em cerca de 100 pacientes HIV positivo contaminados há pelo menos dez anos", explicou Oliveira.

Segundo Chermann, depois, com a aprovação de agências reguladoras, será realizada uma imunização passiva em humanos, com transfusões de anticorpos para pacientes sintomáticos que não respondem mais ao tratamento com drogas.

Além disso, serão fornecidas a vacina terapêutica, contendo o antígeno, para estimular a produção de anticorpos em pessoas sintomáticas, e a vacina de prevenção, também contendo o antígeno, em pessoas que nunca tiveram contato com o HIV. VACINA ESTÁ EM FASE INICIAL DE TESTES

O médico Ésper Kallas, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), destacou que os estudos com a vacina de Chermann correspondem a fases iniciais do desenvolvimento da vacina.

"É preciso alertar as pessoas de que a vacina não está em vias de ser concluída para não criar falsas esperanças", disse Kallas.

"Estes parecem ser estudos iniciais de fase 1, em que é analisada a toxicidade da vacina", afirmou Kallas, acrescentando que existem mais de 60 estudos com vacinas contra a Aids em todo o mundo em fase 1.

Kallas destacou que, apesar de conhecer pouco a vacina de Chermann, tem algumas dúvidas em relação a sua eficácia em humanos, já que seu antígeno, o R7V, também está presente em células humanas. "A vacina também não poderia afetar células normais?", questionou Kallas.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: