Publicidade

Notícias de saúde

Médicos Debatem Ajuda de Leigos a Vítima de Enfarte

SÃO PAULO (Reuters) - A sobrevivência de pessoas que sofrem acidente cardiovascular em local público não depende apenas da eficácia dos serviços de emergência. As vítimas dependem, em grande parte, do apoio de leigos treinados a salvar vidas.

Os "primeiros-socorros" prestados a essas pessoas será um dos temas do Simpósio sobre Emergências Cardiovasculares, promovido pela a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) nos dias 20 e 21 de outubro, na capital paulista.

Especialistas estarão reunidos para debater medidas que ajudem a reduzir o número de vítimas fatais por doenças cardiovasculares, que representam 31 por cento das mortes no país, segundo a Socesp.

"Mesmo com um excelente sistema de emergência, se não houver um trabalho da comunidade para salvar a vida da vítima, a taxa de sobrevida não será superior a 2 por cento", afirmou o médico Sérgio Timerman, do Instituto do Coração (Incor), ligado ao Hospital das Clínicas das Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

De acordo com Timerman, com o objetivo de reduzir as mortes súbitas -- o enfarte correspondendo a cerca de 65 por cento destas mortes -, cardiologistas brasileiros pretendem promover no país o atendimento de emergência e o uso pela comunidade de desfibriladores externos, aparelhos que liberam choques elétricos.

Os médicos querem trazer para o Brasil a experiência de países como os Estados Unidos, onde existem equipes de pessoas leigas treinadas para atender emergências e operar desfibriladores em locais como aeroportos, shoppings e estádios.

"Em Seattle, nos Estados Unidos, onde grande parte da população é instruída, há uma sobrevida de quase 50 por cento (dos pacientes em emergência cardiovascular)", disse Timerman.

O médico explicou que cerca de 85 por cento das paradas cardíacas ocorrem devido à fibrilação ventricular, que consiste em "um caos elétrico no coração, que pára de funcionar como bomba".

"Só existe uma maneira de parar este caos: através do choque com o desfibrilador", destacou o médico que coordena o simpósio.

Segundo Timerman, a maioria das companhias aéreas norte-americanas e européias já está equipada com o desfibrilador. No Brasil, a Varig e a TAM também possuem o aparelho.

O médico afirmou que a Socesp pretende, em conjunto com outras organizações, promover o atendimento e o uso de desfibrilador por leigos no Brasil.

"Em primeiro lugar, aguardamos a aprovação de um projeto de lei, que já está tramitando no Senado, para tornar obrigatório o desfibrilador em locais públicos para ser usado por pessoas leigas", afirmou Timerman. Além disso, o entidade pretende formar centros de instrução e difusão de atendimento.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: