Publicidade

Notícias de saúde

Liberação de Pílula Abortiva nos EUA Pode Sair Esta Semana

Por Lisa Richwine

WASHINGTON (Reuters) - Representantes do governo norte-americano devem avaliar esta semana se permitem a venda da pílula abortiva conhecida como RU-486.

Os responsáveis pela regulamentação da droga devem decidir até sábado se aprovam, rejeitam ou pedem mais informações, segundo grupos favoráveis ao aborto e os distribuidores da droga.

A pílula, conhecida como mifepristone, estreou na França em 1988 e tenta entrar no mercado norte-americano há mais de uma década.

A droga é vendida em toda a Europa, China e outros lugares, mas a pressão de grupos opositores ao aborto ajudou a afastar o mifepristone dos Estados Unidos.

O mifepristone bloqueia um hormônio necessário para gravidez quando administrado logo depois da concepção. Normalmente, a droga é seguida dois dias depois pelo misoprostol (conhecido no Brasil como Cytotec), que causa contrações uterinas.

A disponibilidade do mifepristone depende se a Food and Drug Administration (FDA) -- agência para controle de drogas e alimentos -- vai restringir quem pode prescrever a droga.

Em junho, grupos pró-aborto informaram que a agência estava considerando regras restritas como a limitação da prescrição a médicos que também realizam aborto cirúrgico.

Em cerca de 5 por cento dos casos, o mifepristone falha e precisa de cirurgia para completar o aborto. A pílula deve ser administrada sob supervisão médica e as mulheres podem ter náusea, vômito, sangramento e outros efeitos colaterais.

Em uma pequena porcentagem dos casos, as mulheres tiveram sangramento grave e precisaram de transfusão de sangue. Se a FDA aprovar a pílula, os grupos de oposição ao aborto devem iniciar uma campanha para desencorajar as mulheres a usar a droga, enfatizando a possibilidade de efeitos colaterais.

Em fevereiro, a FDA publicou a última lista de produtos "passíveis de aprovação", dizendo que o mifepristone era seguro e efetivo mas representantes oficiais ainda tem dúvidas. Pela lei, a agência tem que responder novamente em seis meses após receber as respostas para as questões, o que significa 30 de setembro como prazo final.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: