Publicidade

Artigos de saúde

Terceira idade: a importância das lesões na mucosa bucal

Marco Tulio Pettinato Pereira
Cirurgião-dentista com especialização em Saúde da família (UCAM), Saúde Coletiva (SL Mandic) e Saúde Pública (UNAERP)
marcotuliopettinatopereira@yahoo.com
Fernando Luiz Brunetti Montenegro
Mestre e Doutor FOUSP, Prof. Adjunto na UnG, Coordenador Saúde Bucal CEDPES e Casa Ondina Lobo

Os indivíduos da terceira idade estão sujeitos a vários tipos de lesões na mucosa bucal (como candidíases e leucoplasias) e outras doenças, como por exemplo, o câncer bucal. A candidíase é uma infecção por levedura das membranas da mucosa da boca e da língua, sendo que a principal causadora de infecção em seres humanos é a Candida albicans. Os sintomas incluem o surgimento de placas esbranquiçadas e aveludadas na membrana mucosa da boca e da língua. Outra lesão da mucosa é a leucoplasia. É uma das lesões cancerizáveis mais frequentes da boca. E isto vai depender de hábitos nocivos à saúde como o tabagismo associado ao etilismo, pois pode aumentar o risco de tornar-se cancerizável. Ela desenvolve-se em qualquer região da boca, sendo que as áreas mais afetadas são no lábio inferior, rebordo lateral de língua e mucosa jugal (mucosa interna da bochecha). O seu aspecto clínico é semelhante a outras lesões com aspecto de placas brancas que ocorrem na cavidade bucal. Já o câncer bucal aparece geralmente como uma ulceração (ferida) com as bordas elevadas e pode se apresentar também com coloração branca e/ou vermelha. Essa ferida, no início, não dói e não cicatriza e o indivíduo pode apresentar dificuldade em falar ou engolir.

Mas o diagnóstico correto, tanto das lesões na mucosa como do câncer bucal, é realizado pelo dentista, sendo importante o diagnóstico precoce das mesmas. Para isso, é fundamental que os indivíduos da terceira idade realizem o auto-exame, isto é, o exame da própria boca diante do espelho, que possibilita a detecção de lesões na boca na fase inicial e a pessoa ao perceber alguma anormalidade, deve procurar o seu dentista.

Idosos que tem boa coordenação motora (idosos independentes), devem realizar o auto-exame através de um espelho e em um local bem iluminado. Aqueles que usam próteses (dentadura) precisam retirá-las antes de começar o exame. Baseado no que preconiza o Instituto Nacional do Câncer (INCA) do Ministério da Saúde, o auto-exame pode ser feito da seguinte forma:

a) De frente para o espelho, deve-se observar a pele do rosto e do pescoço. Prestar atenção em qualquer sinal que não tenha notado antes. Apalpar suavemente, com a ponta dos dedos, todo o rosto;

b) Puxar, com os dedos, o lábio inferior para baixo, expondo a parte interna (mucosa). Depois, repetir o mesmo procedimento com o lábio superior, puxando-o para cima;

c) Com a ponta do dedo indicador, afastar a bochecha, para examinar a parte interna. Repetir com o outro lado de bochecha;

d) Com a ponta do dedo indicador, sentir toda a gengiva na região superior e inferior, verificando se encontra alguma anormalidade;

e) Colocar o dedo indicador por baixo da língua e o polegar da mesma mão por baixo do queixo e procurar apalpar todo o assoalho da boca;

f) Virar a cabeça para trás e, abrindo a boca o máximo possível, examinar atentamente o céu da boca. Tocar com o dedo indicador todo o céu da boca. Em seguida, dizer: ÁÁÁÁÁ... e observar o fundo da garganta;

g) Colocar a língua para fora e observar a parte de cima. Repetir a observação com a língua levantada até o céu da boca. Em seguida, puxar a língua para a esquerda, observar a região da direita. Fazer o mesmo com o lado esquerdo, movendo a língua para a direita;

h) Colocar a língua para fora, segurando-a com um pedaço de gaze ou pano; apalpá-la em toda sua extensão, com o dedo indicador e polegar da outra mão;

i) Examinar o pescoço. Comparar os lados direito e esquerdo e ver se há diferença entre eles. Depois, apalpar o lado esquerdo do pescoço com a mão direita;

j) Repetir o procedimento para o lado direito, apalpando com a mão esquerda. Finalmente, introduzir o polegar por debaixo do queixo e apalpar suavemente todo o contorno inferior.

Deve-se fazer este auto-exame duas vezes por ano e se perceber anormalidades como: regiões irritadas embaixo das próteses, ferimentos que não cicatrizam em duas semanas, dentes quebrados ou moles, mudança de cor, algum caroço ou endurecimento, deve-se procurar imediatamente um dentista. Ele aconselhará se deve ou não consultar outro especialista. No caso de idosos que não tem boa coordenação motora (idosos dependentes), o exame para verificação de anormalidades na mucosa bucal deve ser realizado pelo familiar ou pelo cuidador.

Para finalizar vale sinalizar que é importante o retorno periódico ao dentista para uma reavaliação das condições de saúde bucal e prevenção de doenças. E na prevenção de enfermidades, como por exemplo o câncer bucal, é fundamental reduzir e evitar o fumo e o álcool.

Câncer bucal: a prevenção é fundamental!

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de boca é uma denominação que inclui os cânceres de lábio e de cavidade bucal (mucosa bucal, gengivas, palato duro, língua e assoalho da boca). O câncer de lábio é mais frequente em pessoas brancas, e registra maior ocorrência no lábio inferior em relação ao superior. O câncer em outras regiões da boca acomete principalmente tabagistas e os riscos aumentam quando o tabagista é também alcoólatra.

Fatores de Risco

Os fatores que podem levar ao câncer de boca são idade superior a 40 anos, vício de fumar cachimbos e cigarros, consumo de álcool, má higiene bucal e uso de próteses dentárias mal-ajustadas.

Sintomas

O principal sintoma deste tipo de câncer é o aparecimento de ulcerações (feridas) na boca, com as bordas elevadas que não cicatrizam em até duas semanas. Outros sintomas são ulcerações superficiais, com menos de 2 cm de diâmetro, indolores (podendo sangrar ou não) e manchas esbranquiçadas ou avermelhadas nos lábios ou na mucosa bucal. Dificuldade para falar, mastigar e engolir, além de emagrecimento acentuado, dor e presença de linfadenomegalia cervical (caroço no pescoço) são sinais de câncer de boca em estágio avançado.

Exame Clínico da Boca e diagnóstico

Para as pessoas que tem alto risco para o câncer de boca, o exame clínico deve ser realizado anualmente por profissional médico ou dentista.

O diagnóstico correto do câncer bucal, é realizado pelo profissional da saúde, mas é fundamental a realização do auto-exame, ou seja, o exame da própria boca diante do espelho, que possibilita a detecção de lesões na boca na fase inicial e a pessoa ao perceber alguma anormalidade, deve procurar o seu dentista.

O auto-exame pode ser realizado da seguinte forma:

Rosto: Utilize de um espelho para realizar o auto-exame da boca. Inicie olhando bem a pele do seu rosto e observe se há alguma modificação.

Lábios: Com as duas mãos puxe o lábio inferior para baixo e observe se há alguma mudança de cor ou ferida. Repita o mesmo procedimento com o lábio superior.

Bochechas e gengivas: Puxe a bochecha para fora, segurando com os dedos indicadores colocados nos cantos superior e inferior da boca. Observe se há manchas vermelhas ou brancas. Verifique também as gengivas da parte superior e inferior da boca.

As laterais da língua: Coloque a língua para fora e segure-a. Observe nos lados da língua se há algum caroço, mancha ou ferida. No exame da língua é importante observar as bordas da língua.

Abaixo da língua e assoalho da boca: Levante a língua e encoste-a no céu da boca. Observe se há algum caroço, mancha ou ferida. Observe também a parte do assoalho se há alguma modificação.

Céu da boca: Incline sua cabeça para trás e observe o céu da boca para verificar se há alguma mancha ou ferida.

Garganta: E por último abra a boca o máximo que conseguir e observe a sua garganta se há alguma ferida na região das tonsilas ou amígdalas.

Durante o auto-exame todas as regiões da boca devem ser examinadas e caso a pessoa perceber anormalidades como: regiões irritadas embaixo de próteses, ferimentos que não cicatrizam em duas semanas, dentes quebrados ou moles, mudança de cor, algum caroço ou endurecimento, deve-se procurar imediatamente um dentista. Ele aconselhará se deve ou não consultar outro especialista (estomatologista).

Para finalizar vale sinalizar que na prevenção do câncer bucal, é fundamental:

1- não fumar e deve-se evitar bebidas alcóolicas em excesso;
2- proteger a pele e os lábios contra os raios de sol (através de filtro solar e chapéu de aba longa);
3 - alimentar-se de forma saudável com verduras, frutas e legumes;
4 - Realizar o auto-exame regularmente;
5 - Visitar o dentista sempre que encontrar alguma alteração ou tiver alguma dúvida.

Fontes pesquisadas: http://www.inca.gov.br  http://www.crosp.org.br

Copyright © 2009 Bibliomed, Inc.   



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: