Notícias de saúde

Políticas racistas aumentam risco de AVC em pessoas negras

23 de abril de 2021 (Bibliomed). Práticas discriminatórias de moradia de quase um século atrás continuam a influenciar o risco de uma pessoa sofrer um derrame, afirma um novo estudo realizado pela Ohio State University, que revela o legado de racismo estrutural nos Estados Unidos.

Os pesquisadores descobriram uma taxa 1,5% maior de derrames nos setores censitários em Columbus, Ohio, mais marcados como "redlining", em comparação com os bairros da cidade menos afetados pela discriminação habitacional.

O redlining começou na década de 1930, como uma consequência não intencional da Lei Nacional de Habitação do New Deal de 1934, que pretendia tornar a habitação e as hipotecas mais acessíveis. A lei criou a Federal Housing Administration, que em 1935 dirigiu uma corporação patrocinada pelo governo chamada Home Owners 'Loan Corp. para pesquisar mais de 200 cidades dos EUA e avaliar a capacidade de crédito dos bairros.

Os bairros redlines sofreram com o declínio econômico e abandono. Leis de reforma habitacional aprovadas nas décadas de 1960 e 1970 tornaram a prática ilegal, mas os pesquisadores suspeitam que os efeitos dessa discriminação ecoaram ao longo das décadas, empobrecendo essa população e tendo efeitos na saúde.

Para testar essa teoria, os pesquisadores calcularam pontuações históricas de redlining para bairros de Columbus e avaliaram a associação entre essas pontuações e as taxas de AVC em 2017.

Pontuações históricas mais altas foram associadas a maiores taxas de AVC ao comparar bairros com maior e menor quantidade de discriminação habitacional. Esses resultados estão de acordo com pesquisas anteriores sobre saúde comunitária.

Como a base tributária é mais baixa, as pessoas em bairros redlining também tiveram menos oportunidades educacionais e o nível de educação está extremamente vinculado à saúde, explicam os autores, que acrescentam que pessoas em áreas pobres têm menos acesso a cuidados de saúde e estão mais expostas a poluentes ambientais, como poluição atmosférica. As cidades também tendem a investir menos nessas áreas, resultando em menos parques e locais para exercícios ao ar livre.

Áreas economicamente dizimadas por práticas como o redlining também tendem a ser "desertos alimentares", onde as pessoas não têm acesso a alimentos saudáveis. Além disso, essas áreas registram níveis mais altos de estresse nas comunidades, que resultam em hábitos prejudiciais à saúde, como fumar.

Fonte: American Stroke Association Annual Meeting. 17 a 19 de março de 2021.

Copyright © 2021 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2021 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários