Notícias de saúde

Novo dispositivo pode prever convulsões em epiléticos

24 de dezembro de 2020 (Bibliomed). Um dispositivo de estimulação cerebral implantado pode ser capaz de prever e ajudar a prevenir convulsões em epilépticos, de acordo com um estudo do University of California-San Francisco Epilepsy Center, nos Estados Unidos.

O dispositivo, chamado NeuroPace RNS System, é um dispositivo implantável que monitora a atividade cerebral usando a tecnologia de eletroencefalograma contínuo. Eletroencefalogramas (EEGs) podem medir a atividade elétrica no cérebro para detectar e evitar convulsões iminentes. Ele tem como objetivo interromper as convulsões, estimulando regiões específicas do cérebro aos primeiros sinais de uma. Ele também pode monitorar e registrar a atividade cerebral relacionada às convulsões ao longo de muitos meses ou mesmo anos em epilépticos enquanto vivem suas vidas normais - dados que podem ajudar a "prever" convulsões.

De acordo com os pesquisadores, esta tecnologia pode ??ajudar a reduzir a incerteza associada à epilepsia ao prever períodos de tempo em que as convulsões são mais ou menos prováveis ??em horizontes que permitem que comportamentos sejam modificados de acordo, além de poder, também, permitir medicamentos personalizados e outros tratamentos com base no risco de convulsão.

A epilepsia é uma doença crônica caracterizada por crises recorrentes, que são breves surtos de atividade elétrica no cérebro que podem causar convulsões, alucinações e inconsciência.

Para este estudo, os pesquisadores analisaram os dados coletados pelo dispositivo em 175 adultos com epilepsia focal resistente a medicamentos. A análise revelou que as convulsões são "menos aleatórias" do que se pensava anteriormente.

A tecnologia identificou ciclos semanais a mensais de "irritabilidade cerebral" que previam efetivamente quando os pacientes do estudo tinham quase dez vezes mais probabilidade de ter uma convulsão com precisão de até 80%.

Em alguns pacientes, os sinais desses períodos de risco elevado podem ser detectados com vários dias de antecedência. No entanto, esse risco elevado não significa necessariamente que ocorrerá uma convulsão.

Embora o risco pudesse ser previsto com vários dias de antecedência em 40% dos participantes do estudo, os dados do cérebro de outros apenas previram o risco do dia seguinte e outros ainda não exibiram os ciclos de atividade necessários para previsões confiáveis.

O que faz com que uma convulsão aconteça em um determinado momento permanece desconhecido, embora eles tenham sido associados a certos fatores como estresse, álcool, doses de medicamentos perdidas ou falta de sono.

Fonte: The Lancet Neurology. DOI: 10.1016/S1474-4422(20)30396-3.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários