Notícias de saúde

Uso de maconha na gestação pode aumentar risco de autismo

03 de setembro de 2020 (Bibliomed). Muito se discute sobre os efeitos do uso da maconha por gestantes e nas possíveis consequências dessa prática para os bebês. Pesquisas já associavam o uso de maconha durante a gravidez com o aumento do risco de natimortos, prematuros e baixo peso ao nascer. Agora, uma pesquisa canadense mostrou uma associação entre o uso materno de maconha e um maior risco de autismo.

Para mostrar que o uso de maconha por si só estava ligado ao aumento do risco de autismo, os pesquisadores analisaram especificamente 2.200 mulheres que usaram maconha, mas não usaram outras substâncias durante a gravidez.

O mecanismo pelo qual o uso de maconha durante a gravidez pode afetar os resultados do parto e a saúde do bebê não é totalmente compreendido. Ainda assim, a maioria dos especialistas aponta para estudos em animais que encontraram receptores de cannabis no cérebro de embriões de animais com apenas 5 a 6 semanas de idade. Quando uma mulher grávida consome maconha, esses receptores de cannabis seriam ativados, afetando potencialmente o desenvolvimento do cérebro do bebê.

O número de mulheres que usaram maconha durante a gravidez pode ser muito maior do que o relatado pelo estudo, já que algumas podem ter negado o uso porque a maconha recreativa era ilegal quando os dados foram coletados. Algumas gestantes afirmaram que não faziam o uso da maconha para fins recreativos, mas para tratar dores e enjoos matinais.

A legalização nacional da cannabis recreativa no Canadá em 2018 foi um catalisador para o estudo. Os pesquisadores temiam que a legalização pudesse levar a um aumento no uso de maconha entre mulheres grávidas, apesar da falta de evidências de que é segura.

Ainda assim, de acordo com os pesquisadores, vários fatores podem contribuir para um aumento do risco de autismo. O estudo mostra apenas que o uso de maconha durante a gravidez pode estar associado ao autismo - não que ele definitivamente o cause.

Fonte: Nature Medicine. DOI: 10.1038/s41591-020-1002-5.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Copyright © 2020 Bibliomed, Inc.

Veja também

Faça o seu comentário
Comentários