Pobreza afeta o desenvolvimento cerebral e desempenho cognitivo em crianças

Comment

Saúde do bebe e da criança

Crianças que moram em bairros pobres não têm um desempenho tão bom em testes de função cognitiva e têm "volume cerebral" menor em comparação com as que moram em áreas de renda mais alta, descobriu uma análise da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

O aumento da renda familiar foi associado à melhoria do vocabulário, leitura e memória, entre outras habilidades. Essas diferenças provavelmente foram atribuídas ao fato de que as crianças nesses ambientes tinham regiões cerebrais pré-frontais e hipocampais mais desenvolvidas.

O córtex pré-frontal tem sido relacionado ao comportamento, personalidade e tomada de decisão, entre outras funções, enquanto o hipocampo está envolvido na aprendizagem e nas habilidades de memória, de acordo com os pesquisadores.

Para este estudo, os pesquisadores analisaram o desempenho cognitivo e o desenvolvimento do cérebro de 11.875 crianças de 9 e 10 anos de idade. O desempenho cognitivo foi avaliado usando uma abordagem criada pelo US National Institutes of Health para medir a habilidade verbal, atenção, funcionamento executivo, memória de trabalho, velocidade de processamento cerebral, memória episódica e capacidade de leitura.

O desenvolvimento do cérebro foi medido usando imagens de ressonância magnética 3T, uma versão mais poderosa da ressonância magnética projetada para fornecer imagens altamente detalhadas.

O status socioeconômico da família foi medido usando a renda familiar e o Questionário de Adversidade Financeira Relatada pelos pais, que é usado para determinar "se as famílias geralmente têm dinheiro suficiente para pagar as despesas básicas da vida, como alimentação e saúde. Usando os endereços dos participantes do estudo, os pesquisadores identificaram aqueles que viviam em bairros com maiores níveis de pobreza.

As crianças que vivem em famílias de baixa renda e em bairros mais pobres geralmente tiveram um desempenho pior nos testes de função cognitiva do que aquelas que vivem em áreas mais ricas. Além disso, os exames de ressonância magnética das crianças no estudo também revelaram menos desenvolvimento no córtex pré-frontal e no hipocampo nos cérebros das pessoas que vivem em famílias e bairros mais pobres.

Para os pesquisadores, essas descobertas sugerem que o desenvolvimento infantil equitativo pode ser mais bem apoiado por intervenções tanto no nível doméstico quanto na vizinhança. Eles ressaltam que o impacto da desvantagem da vizinhança no desenvolvimento das crianças provavelmente ocorre por vários fatores, incluindo escolas subfinanciadas, exposição desproporcional a toxinas ambientais, baixo acesso a oportunidades seguras de recreação, exposição à violência e indisponibilidade de alimentos nutritivos.

Fonte: JAMA Network Open. DOI: 10.1001/jamanetworkopen.2020.23774.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *