Cientistas encontram câncer ósseo em fóssil de dinossauro

Comment

Tecnologia

Dinossauros sofriam com doenças similares aos humanos? Pelo que indica recente descoberta, sim. Cientistas diagnosticaram um osteossarcoma, um câncer ósseo maligno e agressivo, em um espécime de Centrosaurus apertus, um dinossauro com chifres que come plantas e viveu 75 milhões de anos atrás.

O tumor foi encontrado na fíbula, ou osso da perna, foi descoberto originalmente no Dinosaur Provincial Park, em Alberta, em 1989, e foi classificado pelos paleontologistas como uma fratura curada. Durante uma pesquisa mais recente sobre ossos de dinossauros potencialmente patológicos, uma equipe de pesquisadores do Museu Real de Ontário e da Universidade McMaster detectou o erro.

De acordo com os pesquisadores, o osso canceroso está gravemente malformado, com um tumor maciço maior que uma maçã no meio. Foram usadas tomografias computadorizadas de alta resolução para identificar a verdadeira natureza do crescimento ósseo maligno. Como resultado, os pesquisadores foram capazes de demonstrar que o tecido ósseo mostrava as características do osteossarcoma e que o tumor espiralava através do córtex ósseo, desconsiderando sua identificação original de uma fratura curada e revelando que era um câncer agressivo.

Osteossarcoma é geralmente encontrado em adolescentes e adultos jovens. As células desorganizadas se replicam rapidamente, espalhando-se através do osso e frequentemente se espalhando para outros órgãos. Segundo os médicos do projeto, a descoberta do tumor apoia a teoria de que o osteossarcoma geralmente ataca áreas do osso que estão crescendo mais rapidamente.

Os pesquisadores explicam que estudar o registro fóssil pode dar aos pesquisadores médicos uma visão da antiguidade e das origens evolutivas dos cânceres e outras doenças que vemos hoje. O tumor encontrado no dinossauro canadense era tão grande que os cientistas suspeitam que o câncer provavelmente tenha se espalhado por todo o corpo do animal quando ele morreu.

Fonte: The Lancet Oncology. DOI: 10.1016/S1470-2045(20)30171-6.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *