Publicidade

Notícias de saúde

Universitários Vão Ser Vacinados Contra Rubéola em SP

SÃO PAULO (Reuters) - A Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo vai vacinar contra rubéola mais de 30.000 estudantes do curso noturno de três universidades. A vacinação, que começa na terça-feira, vai durar três dias.

De acordo com a assessoria de imprensa da secretaria, nos últimos 30 dias, foi identificado um surto de rubéola entre alunos de cursos noturnos das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), da Universidade Presbiteriana Mackenzie e da Universidade Paulista (Unip).

Desde o início do ano, foram registrados 228 casos de rubéola em São Paulo, segundo a assessoria da secretaria.

Cerca de 70 profissionais de saúde vão participar na terça-feira da vacinação dos estudantes da Unip, na unidade Vergueiro. Na quarta-feira é a vez dos alunos da FMU, na unidade Liberdade, e, na quinta-feira, serão vacinados os estudantes do Mackenzie.

A vacinação também será contra sarampo, como parte do compromisso do Ministério da Saúde de erradicar a doença no país.

Segundo a médica Marta Heloísa Lopes, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, a rubéola não produz sintomas em 40 por cento dos casos. "A pessoa pode estar com a doença e não saber", disse a infectologista.

"Nos 60 por cento restantes, a rubéola causa um vermelhão pelo corpo e aumento dos gânglios, principalmente atrás da orelha e do pescoço", acrescentou Marta Lopes. Em alguns casos, a doença pode provocar febre e dor nas articulações.

A doença, transmitida por via respiratória, costuma atingir crianças grandes e adolescentes, além de adultos jovens. "Ela é benigna e passa dentro de três dias", afirmou a médica.

A rubéola apresenta riscos quando é adquirida por mulheres no início da gravidez. "Como o vírus da rubéola interfere no desenvolvimento do embrião, ele pode causar malformações cardíacas, oculares e do sistema nervoso central", explicou Lopes.

Lopes disse que, habitualmente, no Brasil a vacina contra a rubéola é fornecida em uma dose aos 15 meses. No entanto, recomendações internacionais indicam o reforço entre os 6 e 12 anos. "Como no Brasil ela só foi adotada como rotina nos anos 90, a maioria dos adultos não está protegida contra rubéola", acrescentou a infectologista.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: