Publicidade

Notícias de saúde

Austrália Veta Doador de Sangue que Esteve na Grã-Bretanha

Por Andrea Hopkins

CANBERRA (Reuters) - A Austrália anunciou na quinta-feira que vai proibir a doação de sangue de qualquer pessoa que permaneceu pelo menos seis meses na Grã-Bretanha entre 1980 e 1996. A medida é semelhante a regras já impostas nos Estados Unidos, Canadá e Nova Zelândia.

Conforme o ministro da Saúde, Michael Wooldridge, a proibição afetará até 30 mil doadores da Austrália e cortará o suprimento de sangue em pelo menos 5 por cento, mas ainda não dá segurança completa ao suprimento de sangue.

"Nenhum suprimento de sangue é 100 por cento seguro, mas essa medida é destinada a minimizar o risco, que já é muito pequeno", declarou o ministro.

A proibição será introduzida gradualmente em um período de três meses para minimizar o impacto nos bancos de sangue.

"Se 30 mil pessoas simplesmente saírem do sistema hoje, o suprimento australiano de sangue entraria em um estado perigoso", disse Wooldridge.

Conforme o chefe do departamento médico da Austrália, Richard Smallwood, a decisão seria tomada em novembro, mas foi apressada depois que pesquisadores escoceses mostraram, semana passada, que a doença da vaca louca e a sua equivalente humana, conhecida como nova variante da doença de Creutzfeldt-Jacob (vCJD), poderiam ser transmitidas por transfusões sanguíneas.

"Estamos sendo cautelosos. A Austrália possui um dos suprimentos de sangue mais seguros do mundo e queremos permanecer seguros, até que tenhamos certeza", declarou Smallwood.

O ministro australiano informou que o governo federal vai fornecer 870 mil dólares à Cruz Vermelha australiana, que administra a maior parte do sistema de sangue do país, para ajudar a financiar uma campanha de recrutamento de novos e antigos doadores e fazer frente à proibição.

Cerca de 4 por cento dos 19 milhões de australianos são doadores regulares de sangue. Wooldridge alertou que a natureza arbitrária da proibição -- período entre 1980 e 1996, e a decisão de que seis meses é o tempo crítico de exposição -- significa que o suprimento de sangue não estaria 100 por cento seguro.

Muitas pessoas têm morrido na Grã Bretanha em consequência da vCJD, e as mortes são associadas ao consumo de carne de gado com encefalopatia bovina espongiforme (BSE) ou doença da vaca louca.

A doença causa demência, perda do controle muscular e, eventualmente, coma. Pode ficar sem manifestar sintomas por até 20 anos, mas normalmente mata dentro de 12 a 18 meses depois que os sintomas aparecem.

Embora nunca tenha sido relatado um caso de transmissão por transfusão sanguínea ou uso de derivados de sangue, a pesquisa escocesa publicada na revista médica The Lancet mostrou que a transmissão é possível.

A doença da vaca louca apareceu na Grã-Bretanha em 1986 e chegou a seu ponto crítico em 1992. Quatro anos depois, os cientistas identificaram o vCJD e sugeriram que a doença poderia ser contraída ao ingerir carne contaminada.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: