Publicidade

Notícias de saúde

Nova Droga Pode Reduzir Chance de Rejeição em Transplante

SÃO PAULO (Reuters) - A rapamicina é uma droga que, associada a outros medicamentos, tem apresentado um grau menor de rejeição em pacientes submetidos a transplantes, afirmou na terça-feira José Osmar Medina Pestana, vice-presidente do Hospital do Rim e Hipertensão, em São Paulo.

"A rapamicina veio se somar às alternativas de drogas imunossupressoras para pacientes que sofreram transplante de rim", disse Medina, que também é chefe do programa de transplantes da Universidade Federal Paulista (Unifesp). A droga, fabricada pelos laboratórios Wyeth com o nome de Rapamune, é a primeira de uma nova classe de medicamentos imunossupressores que, desde 1999, vem sendo utilizados nos Estados Unidos na prevenção de rejeição de transplante renal.

O Rapamune, que foi registrado em julho pelo Ministério da Saúde, será lançado no Brasil durante o 20o. Congresso Brasileiro de Nefrologia, que acontece entre 24 e 27 de setembro, em Natal.

De acordo com Medina, estudos internacionais demonstraram que a rapamicina, em associação à ciclosporina e à prednizona, reduziu a incidência da rejeição do órgão em 50 por cento.

Medina acrescentou que três estudos com a droga estão sendo desenvolvidos na Unifesp, em pacientes brasileiros.

"Os estudos avaliam a eficácia da droga em diversos tipos de pacientes, ou seja, pessoas com a menor e a maior chance de rejeição", explicou o médico.

"Um dos estudos, já concluído, indicou que os resultados do uso da droga são os mesmos em qualquer tipo de paciente", afirmou Medina.

Ele destacou, no entanto, que a rapamicina produz um efeito colateral importante. A droga aumenta os níveis de colesterol e triglicérides. "Assim como qualquer medicamento, o uso da rapamicina deve ser sempre bem acompanhado pelo médico", alertou Medina.

"A vantagem da rapamicina é que, em associação a outros medicamentos, ela reduz mais que outras (drogas) a chance de rejeição", afirmou Medina. Ele destacou, no entanto, que "a droga vai se concretizar com o tempo, para verificarmos se ela tem grandes benefícios".

O transplante de rim é o tipo de transplante de órgão mais comum no Brasil, com 2.500 operações por ano.

"Esse número corresponde a 50 por cento dos total de transplantes", disse Medina. Ele acrescentou que a sobrevida dos pacientes é de 80 por cento em um ano e de 50 por cento em oito anos.

Sinopse preparada por Reuters Health

Copyright © 2000 Reuters Limited. All rights reserved. Republication or redistribution of Reuters Limited content, including by framing or similar means, is expressly prohibited without the prior written consent of Reuters Limited. Reuters Limited shall not be liable for any errors or delays in the content, or for any actions taken in reliance thereon.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: